Após ficar fora dos playoffs da NBA, Thunder demite técnico Scott Brooks

O Oklahoma City Thunder surpreendeu e anunciou nesta quarta-feira a demissão do técnico Scott Brooks. A decisão foi inesperada nem tanto pelo resultado da equipe nesta temporada, já que ela ficou fora dos playoffs da Conferência Oeste, mas pelas circunstâncias em que isto aconteceu - o time atuou sem Kevin Durant na maior parte do campeonato - e pelos bons resultados recentes da franquia.

Estadão Conteúdo

22 de abril de 2015 | 15h33

Brooks havia assumido o controle do Thunder em abril de 2009, depois de comandá-lo em parte da temporada 2008/2009 como interino. De lá para cá, estabeleceu o time liderado por Kevin Durant e Russell Westbrook como um dos melhores da NBA, chegando a três finais de conferência (2010/2011, 2011/2012 e 2013/2014) e uma decisão da liga (2011/2012).

"Esta é uma decisão extremamente difícil em muitos níveis. Scott ajudou a estabelecer a identidade do Thunder e conquistou merecidamente seu lugar na história da nossa organização através de seus sete anos como um líder valioso e um membro do time", disse o vice-presidente e gerente geral do Thunder, Sam Presti.

De fato, Brooks colaborou no momento de transição do Thunder, que deixou de ser o saco de pancadas da temporada 2008/2009, quando foi o terceiro pior time do Oeste, para figurar nos playoffs ano após ano. O sucesso foi tanto que o treinador chegou a ser eleito o melhor da liga em 2009/2010, quando a franquia iniciou a volta por cima.

Mas faltava dar o passo além. E o Thunder, por mais sucesso que fizesse na temporada regular, em nenhum momento pareceu ser um time capaz de conquistar o título, nem em 2012, quando foi atropelado pelo Miami Heat na final. Na atual temporada, sofreu com as diversas lesões de Durant, que perdeu quase toda a temporada, Westbrook e Serge Ibaka e ficou fora dos playoffs pela primeira vez desde 2008/2009.

"Como sabemos, no último ano tivemos circunstâncias únicas e desafiadoras, e poucas pessoas teriam alcançado o que Scott e este time fizeram. No entanto, é importante dizer que esta decisão não é um reflexo da temporada passada, mas uma constatação de que sentimos que é necessário neste momento continuar a evoluir, progredir e sustentar. Determinamos isso, para estimular o progresso e nos colocar em melhor posição na temporada que vem. Olhamos para o futuro e vemos que uma transição é necessária para nosso programa", comentou Presti.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.