Após ter recorde quebrado, Oscar Robertson elogia Westbrook: 'Meu voto para MVP'

Atual astro do campeonato realizou 42 "triple-double", ultrapassando a marca anterior de 41

O Estado de S.Paulo

10 de abril de 2017 | 15h38

Demorou 55 anos, mas uma das mais improváveis quebras de recorde da NBA aconteceu nesta temporada. Mais precisamente, no último domingo, quando Russell Westbrook teve mais uma atuação memorável para levar o Oklahoma City Thunder à vitória sobre o Denver Nuggets, ao anotar 50 pontos, 16 rebotes e 10 assistências. Foi o 42.º "triple-double" do astro no campeonato, ultrapassando os 41 de Oscar Robertson em 1961/1962.

Aos 78 anos, Robertson viu um jogador cinco décadas mais novo quebrar seu recorde, que parecia insuperável. Para se ter uma ideia, de 1990 até o ano passado somente um jogador havia anotado mais de 15 "triple-doubles" em uma temporada: o próprio Westbrook, em 2015/2016, com 18. E neste período, passaram pela NBA nomes como Magic Johnson, Michael Jordan, Karl Malone, Kobe Bryant, Shaquille O'Neal, Hakeem Olajuwon, Tim Duncan, entre outros.

Mas engana-se quem acredita que Robertson se incomodou com a quebra de seu recorde histórico. Pelo menos, foi isso que ele escreveu em um artigo publicado no site The Undefeated. "Eu não poderia estar mais feliz por ele. Parabéns ao Russell Westbrook por uma temporada magnífica!", comentou.

Como Westbrook, Robertson era considerado um jogador capaz de fazer de tudo em quadra. Ao contrário do armador do Thunder, no entanto, o ex-atleta do Cincinnati Royals e do Milwaukee Bucks lembrou que na sua época, a NBA não tinha uma estatística definida para "triple-doubles". "Durante toda minha carreira, não estive ciente de que havia uma estatística de 'triple-double', porque o termo não existia."

Também em 1961/1962, o então armador teve média de "triple-double" na temporada, outra estatística igualada por Westbrook na atual edição da NBA. O que o armador ainda está longe de igualar é o número total de "triple-doubles" na carreira, já que tem apenas 79, contra 181 de Robertson. O ex-atleta, no entanto, confia na capacidade de seu sucessor para ultrapassá-lo.

"Me perdoem o clichê, mas recordes são feitos para serem quebrados. Se alguém quebra seu recorde, significa que chegou a um nível de excelência significativa em algo, e você precisa respeitá-lo por isso. Além disso, quão frequentemente você vê a história sendo feita e também pode fazer parte dela?", exaltou.

A temporada de Westbrook o coloca como grande candidato a MVP (jogador mais valioso) da NBA, mas outros jogadores aparecem nesta briga. O principal rival é James Harden, do Houston Rockets, com LeBron James, do Cleveland Cavaliers, e Kawhi Leonard, do San Antonio Spurs, correndo por fora. Para Robertson, no entanto, o armador do Thunder tem que ser o escolhido.

"Meu voto é para o Westbrook, e explico o porquê. Ele assumiu o ataque do Thunder depois que a saída de Kevin Durant para o Golden State Warriors mudou a equipe. Nesta temporada, ele bateu qualquer outro armador no um contra um. E o mais importante, ele deveria ser premiado por suas atuações excepcionais nesta temporada e por suas conquistas individuais para a carreira", opinou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.