Arritmia pode tirar Kátia do Santo André

Unimed/Americana e Santo André começam nesta quinta-feira a disputar vaga na final do Campeonato Nacional Feminino de Basquete (às 19 horas, com transmissão da SporTV). Mas a pivô Kátia, do time do ABC, jogadora mais eficiente da fase classificatória, ainda não sabe se jogará. Há pouco mais de duas semanas, a atleta de 21 anos sentiu pontadas no peito e passou mal. Foi afastada dos treinos pela técnica Laís Elena, mas, segundo os médicos, não precisa abandonar a atividade física."Um médico de Suzano disse que eu tenho arritmia. Outra, de São Paulo, que não tenho nada", contou Kátia, apreensiva, antes de uma terceira consulta, desta vez com a cardiologista Raquel Teixeira de Araújo, em Santo André. "Ela disse que todos temos arritmia e a Kátia não precisa abandonar a atividade física. Um tratamento mais radical pode ser feito, mas apenas se a arritmia se tornar mais freqüente", disse Laís Elena.A cardiologista de Santo André liberou Kátia para "atividades físicas". "Ela relata que está tendo a arritmia com mais freqüência, mas temos de levar em consideração que está em uma semifinal de campeonato e soube que é um pouco ansiosa. Pedi exames de sangue para afastar qualquer possibilidade de enfermidade", revelou Raquel Teixeira de Araújo. Mais aliviada após a explicação da médica, Laís Elena admitiu que Kátia até pode entrar em quadra nesta quinta-feira: "Vou sentir o jogo para saber se coloco a Kátia. Ela ficou parada 15 dias, mas acho que tem fôlego para uns 20, 25 minutos. O que é certo é que não sai como titular."Kátia, que na fase classificatória foi a cestinha do Nacional com média de 19,9 pontos por jogo, estava afoita para jogar: "Vou jogar, sim. Estou muito tranqüila."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.