Basquete vira febre em Araraquara

Um público de 49.108 pessoas em nove jogos, a maior média disparada - de 5.456 pessoas - dentre as 17 equipes que disputam o Campeonato Nacional Masculino de Basquete. Os fãs são da Uniara/Fundesport, de Araraquara, time estreante no Brasileiro, com apenas oito meses de existência, mas que já conquistou a paixão da torcida. A equipe de Araraquara chegou à decisão do Paulista (perdeu o playoff para o COC/Ribeirão), em janeiro, e está entre os primeiros no Nacional. O basquete virou ?mania? na cidade, o que se justifica, na avaliação do técnico Antônio José Paterniani, o Tonzé, pelas vitórias. "O time conquistou a torcida porque tem bons resultados." Tonzé, que fez escola nos tradicionais basquete de Franca (onde trabalhou entre 1995 e 1998) e de Ribeirão Preto (entre 1998 e 2001), disse que está orgulhoso com a reação da torcida de Araraquara, cidade de 200 mil habitantes, próxima a outros centros do basquete paulista - está a 80 km de Ribeirão Preto, a 110 km de Bauru e a 170 km de Franca. "Quanto termina o jogo, na sexta-feira, principalmente, a cidade fica cheia. As pessoas, que não conseguem dormir após a ?adrelina? de um jogo de basquete vão passear. Isso mexe com a cidade", afirmou o treinador. Tonzé acha que Araraquara tem uma ?cultura? ainda em formação no basquete. Uma cidade só adota um esporte, segundo ele, quando forma atletas. "Estou procurando parceiros que tenham espaço físico (ginásios) para montarmos um núcleo, um lugar onde se faça basquete o dia inteiro. Meninos interessados não faltam. Quero investir em categoria de base. Para ter uma base sólida precisaremos fazer basquete por muitos anos ainda."

Agencia Estado,

22 Março 2002 | 19h18

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.