Bassul revela talentos no basquete

O técnico Paulo Roberto Bassul é 4-em-1. Além de orientar o time principal da Unimed/Americana, também é treinador do time juvenil da cidade, da seleção brasileira juvenil e assistente-técnico de Antônio Carlos Barbosa na seleção adulta. No próximo Campeonato Paulista, terá uma equipe com base juvenil, reforçada pela armadora Helen, a pivô Geisa e a lateral Silvinha, todas da seleção brasileira principal, além de Roseli (ex-Guarulhos) e Ega (ex-Ourinhos).Desde os 16 anos, Bassul treinava times femininos. Começou com a seleção de infanto-juvenil (até 17 anos) de Brasília e em 1996 orientou o time do Brasil de cadetes. "Muitas vezes era mais novo que as atletas", lembra o ex-armador, que conciliava as carreiras de atleta e técnico. "Como não era grande coisa como jogador, resolvi largar as quadras cedo, aos 19 anos."Bassul tem histórico ligado às categorias de base. Ao lado da esposa Mila é responsável pelo projeto "Basquete Escola de Futuro" em escolas públicas de Americana. Mila coordena os professores da categoria mini (13 anos) à infanto-juvenil (17). É o apoio para o time juvenil e adulto do marido, na cidade. "Adoro trabalhar com a formação e com o adulto. Nas categorias menores, a gente tem de moldar as peças para um quebra-cabeças. No adulto, o negócio é montar a figura, ter mais a percepção da tática de jogo."Ele disputou o último Paulista com um time essencialmente juvenil - "igual ao BCN/Osasco de hoje" - e orientou a seleção juvenil no Campeonato Nacional. O objetivo era preparar as meninas para o Mundial da categoria, na República Checa. O Brasil ficou em sétimo em ambas as competições. Da seleção juvenil, Americana tem Silvia (sobrinha de Roseli), Juliana e Claudinha.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.