Sergio Barzaghi/Gazeta Press
Sergio Barzaghi/Gazeta Press

Bauru desafia o poderoso Real Madrid no Ibirapuera

Equipe paulista começa a decidir título da Copa Intercontinental 

Gabriel Melloni, O Estado de S. Paulo

25 de setembro de 2015 | 07h02

Um dos grandes times do basquete sul-americano, o Bauru terá pela frente na decisão da Copa Intercontinental “a melhor equipe do mundo fora os times da NBA”. Foi assim que o técnico do time brasileiro, Guerrinha, definiu o Real Madrid, um verdadeiro esquadrão de atletas das mais diferentes nacionalidades que veio ao País para disputar mais um troféu esta semana, em dois jogos no Ginásio do Ibirapuera, em São Paulo, nesta sexta-feira, às 21 horas, e no domingo, dia 26, ao meio-dia. E o treinador sabe que passar por este complicado adversário não será nada fácil.

“O Real Madrid tem a melhor equipe fora da NBA, com uma estrutura fantástica e disputa campeonatos fortíssimos. Sabemos das dificuldades. Temos que procurar fazer um jogo de igual para igual. Estudamos muito as táticas deles. Eles têm uma leitura de jogo impressionante, com respostas para tudo, tanto coletiva quanto individualmente. Nossa missão é ingrata, de parar esse time, mas a gente acredita que o esporte sempre nos traz surpresa através da superação”, declarou.

O Real conta em seu elenco com estrelas como Sergio Rodríguez, Rudy Fernández, Andrés Nocioni e Gustavo Ayón, todos com passagens pela NBA. Venceu a difícil Euroliga (campeonato europeu de clubes) da última temporada até com certa facilidade, passeando sobre o Olympiakos na decisão por 78 a 59. Por isso, chega com o favoritismo para esta Copa Intercontinental.

POSTURA 

Do lado brasileiro, Guerrinha aposta na postura do Bauru dentro de quadra e tenta passar para seus jogadores a importância que teria o título neste fim de semana. “Seria especial não só para Bauru, mas para a região. E nesse torneio estamos levando o nome do basquete brasileiro. Para mim, é um motivo de muito orgulho fazer parte desse momento.”

O treinador também confia bastante em seus atletas, desde os mais novos até os veteranos. O jovem armador Ricardo Fischer, o ala e armador Alex García, o ala Robert Day e o pivô Rafael Hettsheimeir são os destaques do bom elenco bauruense, que venceu a Liga das Américas em março e terminou na segunda colocação do último NBB – perdeu para o Flamengo na decisão.

O técnico do Real, Pablo Laso, já elogiou os atletas do Bauru e o estilo de jogo da equipe. Por isso, Guerrinha sabe que dificilmente surpreenderá o adversário. “Não acredito que possa surpreendê-los, pois hoje todos têm informações de maneira muito rápida. Com certeza eles nos estudaram.”

Mas o treinador brasileiro confia que possa escrever nestas duas partidas mais uma página em sua vitoriosa carreira no basquete. “Cada conquista, cada momento têm seu valor especial”, comentou. “Esse projeto do Bauru é como um filho para mim. E agora todos estamos num momento especial. É como ver um filho sair de uma faculdade renomada e disputar um emprego numa empresa gigante, fomos premiados e coroados com um adversário como o Real Madrid”, finalizou. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.