Brasil culpa técnico por briga em amistoso na China

De volta ao Brasil, em desembarque na noite desta quinta-feira, os brasileiros culparam o técnico americano Bob Donewald pela confusão generalizada no amistoso com a China, na terça, em Pequim. A seleção nacional foi representada pelo Joinville.

AE, Agência Estado

15 de outubro de 2010 | 00h06

Na chegada em São Paulo, o presidente da Confederação Brasileira de Basquete, Carlos Nunes, isentou a federação chinesa de culpa e pediu uma punição ao treinador rival. "Não queremos nenhuma punição para a Federação chinesa. Eles não tiveram culpa nisso tudo. [A culpa foi] de um técnico despreparado", declarou, em entrevista à Sportv.

"O técnico deles já me treinou no Brasil e veio me provocar antes do jogo, dizendo que naquele dia eu não escapava. Tentei não entrar na pilha. Mas eles entraram com a mentalidade errada", afirmou o ala Paulinho.

O técnico brasileiro Alberto Bial revelou no desembarque que a federação chinesa fez um pedido formal de desculpas no aeroporto de Pequim e prometeu uma punição aos jogadores envolvidos na briga. "Ao chegar no Aeroporto de Pequim, fomos recebidos com flores. Me levaram para uma sala reservada, com uma carta de desculpas", disse o treinador do Joinville.

Na quarta-feira, a Associação Chinesa de Basquete (CBA) já havia feito um pedido de desculpas formal aos brasileiros por conta do incidente. A entidade também anunciara a suspensão dos treinos e dos jogos de sua seleção como punição pela briga generalizada.

Tudo o que sabemos sobre:
basqueteBrasilChinabrigadesculpas

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.