Vicente Robles/EFE
Vicente Robles/EFE

Brasil peca no setor defensivo, mas vence na estreia do Pré-Olímpico

Seleção de Magnano busca a virada diante da Venezuela no quarto final: 92 a 83

AE, Agência Estado

30 de agosto de 2011 | 15h55

MAR DEL PLATA - A seleção brasileira masculina de basquete teve muito trabalho, suou, mas conseguiu vencer a Venezuela, por 92 a 83, na estreia do Pré-Olímpico das Américas, em Mar del Plata, na Argentina. Com isso, o time do técnico Ruben Magnano divide a ponta do Grupo A da competição com a República Dominicana, que mais cedo havia vencido Cuba, por 90 a 60.

Apesar da vitória, o Brasil não conseguiu uma boa atuação e deixou que o destaque da partida fosse venezuelano. Greivis Vasquez, ala/armador do Memphis Grizzlies, da NBA, foi o maior pontuador, com 26 pontos, além de sete assistências. Pelo lado brasileiro, o melhor em quadra foi o pivô Tiago Splitter, com 17 pontos e 11 rebotes. Alex apareceu nos momentos decisivos e também contribuiu para a vitória, com 15 pontos.

Mesmo diante de um dos adversários mais fracos do grupo, a equipe brasileira não se encontrou no primeiro tempo da partida. O armador Marcelinho Huertas, que terminou o jogo com 16 pontos e sete assistências, não conseguia distribuir bem a bola e a responsabilidade de pontuar ficou com Splitter e Alex. O pivô conseguiu 11 pontos e nove rebotes apenas nos dois primeiro quartos, enquanto o ala/armador anotou 12 pontos neste mesmo período.

Mas o principal problema da seleção era defensivo. O ala/armador Greivis Vasquez, único atleta da Venezuela que atua na NBA, não tinha trabalho para conduzir os ataques do seu time no primeiro tempo. Alex e Marcelinho Machado tentavam pará-lo, mas sem êxito. Assim, ele terminou o primeiro tempo com 17 pontos, além de cinco assistências, e o segundo quarto acabou com o placar desfavorável ao Brasil, em 44 a 39.

No terceiro período, a equipe do técnico Ruben Magnano conseguiu frear o aproveitamento de Vasquez - que somou apenas mais nove pontos até o fim do jogo -, mas seguiu deixando muito espaço no garrafão defensivo. Desta forma, os venezuelanos passaram a dominar os rebotes, além de conseguirem pontuar em bolas próximas à cesta.

Quando parecia que a Venezuela dominaria a partida até o final, o Brasil acordou, melhorou a marcação e conseguiu a virada no início do último quarto, com uma bola de três de Guilherme Giovannoni, que terminou o confronto com 16 pontos. Confiante, a seleção apertou ainda mais a defesa e conseguiu manter o aproveitamento ofensivo para chegar à vitória.

O Brasil volta à quadra já nesta quarta-feira, quando enfrentará o Canadá, às 20h30 (horário de Brasília). Já a Venezuela faz a primeira partida do dia, diante da República Dominicana, às 11h30 (de Brasília).

REPÚBLICA DOMINICANA - No outro jogo do Grupo A, a República Dominicana confirmou o favoritismo e não teve trabalho para atropelar a seleção cubana, por 90 a 60, na partida que abriu o Pré-Olímpico, nesta terça-feira.

O principal destaque da partida foi o pivô do Atlanta Hawks, da NBA, Al Horford, com 24 pontos e nove rebotes. O ala/pivô Jack Martinez também foi importante para a vitória dominicana, com um 'double-double', anotando 16 pontos e dez rebotes. Pelo lado cubano, o melhor em quadra foi o ala/pivô Yoan Luis Haiti, com 18 pontos e oito rebotes.

Tudo o que sabemos sobre:
basquetePré-OlímpicoBrasilVenezuela

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.