Brasil perde para a Austrália na estréia do Mundial

Não estava nos planos do Brasil começar perdendo o Mundial de Basquete no Japão. Mas, graças ao excesso de erros no ataque, foi exatamente o que aconteceu: o time de Lula foi batido pela Austrália por 83 a 77, em Hamamatsu, na madrugada deste sábado.Os dois times começaram o jogo demonstrando certo nervosismo. Pelo lado brasileiro, Tiago Spliter até que esteve bem. Mas Anderson Varejão ficou muito abaixo do que se esperava de um jogador da NBA. O primeiro quarto foi equilibrado, apesar da desorganização brasileira na defesa. Mas a Austrália não foi melhor e o período terminou empatado em 21 a 21. No segundo quarto, o domínio inicial foi brasileiro e o time de Lula chegou a abrir 8 pontos (30 a 22). Inexplicavelmente, os brasileiros permitiram a reação dos australianos, que viraram para 40 a 38. Os dois times fizeram um terceiro quarto muito equilibrado, sem que nenhum conseguisse abrir mais que quatro pontos. Menos mal para o Brasil, que fechou o terceiro quarto com um ponto de vantagem: 57 a 56. Desconcentrados, os brasileiros desapareceram em quadra no período decisivo, falhando demais no ataque e fazendo muitas faltas. Sem maiores dificuldades, os australianos tomaram conta da partida e chegaram a abrir 75 a 65. No finalzinho, o time brasileiro ensaiou uma reação, mas já era tarde."É um campeonato muito duro, e sair com uma derrota pode custar muito caro ao time nesta caminhada. Mas assim como uma vitória não garantiria nenhuma classificação antecipada, uma derrota também não implica em estar fora da competição. Nosso caminho se tornou difícil e turbulento", admitiu o técnico Lula.Para continuar com chances de classificação, o Brasil precisa vencer o Catar, às 1h30 da madrugada deste domingo (horário de Brasília)."Não fizemos uma boa partida. Agora, temos de por a cabeça no lugar porque o campeonato está apenas começando", reconheceu o armador Marcelinho ao final partida.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.