Divulgação/Fiba
Divulgação/Fiba

Brasil vence a Jamaica e avança às semifinais do Pré-Olímpico

Equipe sofreu um apagão no segundo quarto, mas ainda assim derrotou as rivais com uma boa diferença no placar: 73 a 50

AE, Agência Estado

26 de setembro de 2011 | 20h47

NEIVA (Colômbia) - A seleção brasileira feminina teve mais trabalho do que o previsto, principalmente por causa de um apagão no segundo quarto, mas bateu a Jamaica por 73 a 50, nesta segunda-feira, pela terceira rodada da primeira fase do Pré-Olímpico de Neiva, na Colômbia. Com o resultado, o Brasil garantiu a passagem para a semifinal do torneio com o primeiro lugar do Grupo B. O time do técnico Ênio Vecchi não perde a liderança mesmo se perder para o México, nesta terça-feira, às 18h45 (de Brasília).

Após o duelo contra as mexicanas, o Brasil terá que fazer mais dois jogos - e vencer ambos os compromissos - para conquistar a única vaga para os Jogos Olímpicos de Londres, ano que vem. Na semifinal, o Brasil vai cruzar com o segundo colocado do Grupo A, que tem Cuba e Argentina como maiores forças. Se passar à decisão, só a vitória interessa, pois apenas a seleção campeã se classificará aos Jogos. As demais equipes semifinalistas terão nova chance no Pré-Olímpico Mundial, também no ano que vem.

Nas duas primeiras rodadas, o Brasil venceu o Paraguai (por 117 a 34) e Canadá (56 a 39). Nesta segunda, encontrou dificuldades para marcar a pivô Vanessa Gidden, jamaicana que fez 23 pontos e foi a cestinha da partida.

A armadora Adrianinha, a atleta mais experiente do grupo, valorizou a vitória sobre o rival de pouca expressão. "Como sempre, temos que respeitar todas as equipes. No primeiro tempo, a Jamaica fez menos trocas que o Brasil e isso fez diferença. A gente deu uma relaxada normal depois da vitória difícil sobre o Canadá ontem (domingo)", comentou a jogadora no SporTV. No segundo quarto, o Brasil fez apenas quatro pontos a mais que a Jamaica e foi para o intervalo com 13 pontos de vantagem: 38 a 25.

Pelo lado do Brasil, os destaques foram Érika e Damiris. A pivô do Atlanta Dream marcou 19 pontos e pegou sete rebotes. Já a jovem esperança do basquete brasileiro, MVP do Mundial Sub-19, marcou 12 pontos e deu duas assistências. Contra o Canadá, ela havia sido a cestinha, posto que foi de Érika no jogo frente ao Paraguai.

"Isso (conjunto) nós temos de sobra. Está todo mundo entrosado, todo mundo jogando bem. Uma é cestinha hoje, outra amanhã, e é assim que a gente vai crescendo e pensando cada vez mais em Londres", comentou Érika.

Apesar da vitória, a partida mostrou deficiências brasileiras. Dos 18 arremessos da linha dos três pontos, só três entraram. A seleção também demonstrou baixo aproveitamento nos tiros livres: 12 de 22.

Tudo o que sabemos sobre:
basquetePré-Olímpico

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.