Brasileiras mostram confiança para Mundial de Basquete

Brasileiras mostram confiança para Mundial de Basquete

Técnico Zanon levará para a Turquia uma seleção renovada e inexperiente. 'Quero ajudar as meninas', diz a veterana Érika

Estadão Conteúdo

17 Setembro 2014 | 16h10

Depois do anúncio na terça-feira do último corte no grupo, com a saída da pivô Fabiana, a seleção brasileira feminina de basquete faz a preparação final no Brasil antes do embarque para o Mundial na Turquia. E, apesar da juventude e inexperiência da maioria, o sentimento é de confiança e otimismo entre as jogadoras convocadas pelo técnico Luiz Augusto Zanon.

A seleção encerra nesta quinta-feira os treinos em São José dos Campos, no interior paulista. E o embarque para a Turquia será no sábado. No Mundial, a estreia brasileira está marcada para o dia 27 de setembro, contra a República Checa - Espanha e Japão estão no mesmo grupo na primeira fase.

"As meninas estão bastante motivadas para defender as cores do Brasil. Falo muito com elas da valorização que devemos ter em usar a camisa da seleção e a importância de estar representando uma nação. Esse é o primeiro passo de uma nova geração que possui muito potencial", disse a armadora Adrianinha, que já tem 35 anos e é a jogadora mais experiente do grupo.

Outra veterana dessa jovem seleção formada por Zanon é a pivô Érika, que tem 32 anos e vai disputar o sexto Mundial da carreira. "Quero ajudar as meninas a desfrutar essa importante fase da carreira delas. Sei do potencial delas e vejo a crescente de cada uma a cada treino. O importante é que o grupo está bastante unido e quer surpreender na Turquia", afirmou a jogadora.

Além de Adrianinha e Érika, apenas Damiris, neste grupo convocado por Zanon, já disputou um Mundial. "Vamos atrás desse título com todas as nossas forças, pois temos potencial e estamos muito bem treinadas", avisou a pivô de apenas 21 anos, maior revelação brasileira nos últimos tempos, que esteve na edição anterior do campeonato, há quatro anos, na República Checa.

"Enfrentaremos grandes potencias do basquete internacional, mas vamos jogar de igual para igual. Tenho certeza que a equipe irá superar qualquer dificuldade com muita agilidade para poder chegar mais longe na competição", avisou a armadora Débora, de 23 anos. "Mesmo sendo uma equipe bastante jovem, vamos atrás da superação", completou a também estreante Joice, ala de 21 anos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.