Divulgação/LSB
Divulgação/LSB

Brasileiros do basquete lamentam morte prematura de Fab Melo

Pivô de 26 anos faleceu neste sábado enquanto dormia

O Estado de S. Paulo

12 Fevereiro 2017 | 15h57

A prematura morte do brasileiro Fab Melo deixou de luto o basquete brasileiro. O pivô, que teve passagens pela NBA e pela seleção brasileira, faleceu neste sábado aos 26 anos, enquanto dormia. As causas da morte ainda não foram descobertas.

O passamento do jogador de 2,13m, que atuava no NBB, pegou a todos de surpresa. Guilherme Giovannoni, capitão do Brasília - última equipe de Fab Melo -, lamentou o ocorrido e lembrou com carinho do amigo.

"O Fab era um cara que sempre estava com o sorriso no rosto. Ele estava sempre de bom humor e tinha um coração enorme. Muito triste essa notícia", afirmou o ala-pivô da seleção brasileira.

O ala-armador Leandrinho, com quem Melo atuou no Boston Celtics, lamentou a morte do pivô. "Estou em choque, ele se foi muito cedo. Que Deus ilumine e dê força à sua família".

 

 

Lula Ferreira, que foi um dos responsáveis pela primeira convocação do jogador para a seleção, lembrou quando treinou o atleta em 2007, aos 15 anos. "O Cesar Guidetti (atualmente técnico do Pinheiros) era o técnico e eu, o assistente, e nós apostamos  no Fab Melo, que ainda era meio cru, mas tinha um potencial enorme. Foi ali que ele começou a chamar a atenção. Sempre foi um garoto alegre. Realmente, uma pena", afirmou Lula, que atualmente é supervisor do Franca Basquete.

A LNB (Liga Nacional de Basquete), entidade que regula o NBB, emitiu comunicado demonstrando pesar com o falecimento do jogador do Brasília. "Neste momento de dor e tristeza, desejamos nossos sentimentos a toda família e amigos desse gigante do basquete brasileiro".

Ex-companheiro de Boston Celtics, o ala Paul Pierce se pronunciou nas redes sociais. "Descanse em paz, Fab Melo. Não acredito nisso", afirmou o ídolo da equipe de Massachusets, que atualmente defende o Los Angeles Clippers.

 

 

Mais conteúdo sobre:
Basquete Basquete

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.