Reprodução Twitter Washington Wizards
Reprodução Twitter Washington Wizards

Campeão da NBA em 78, Phil Chenier terá camisa aposentada pelo Wizards

Ex-ala, que usava o 45, se tornará o quinto jogador da história da franquia a ter o número retirado

Estadão Conteúdo

14 de setembro de 2017 | 15h01

O Washington Wizards anunciou nesta quinta-feira que vai aposentar na temporada 2017/2018 a camisa de um de seus grandes ídolos dos anos 1970. O ex-ala Phil Chenier será o homenageado e se tornará o quinto jogador da história da franquia a ter o número retirado pela equipe.

"Estou muito orgulhoso pela honra e a bênção de ter o número 45 pendurado ao lado de grandes nomes da franquia. É um reconhecimento a meus colegas, técnicos e todos aqueles que se sacrificaram, apoiaram e guiaram minha jornada por muitos anos. Também divido isto com os torcedores, toda minha família e meus companheiros", comentou o ex-jogador.

Chenier marcou época na década de 1970. Escolhido na quarta colocação do Draft de 1971 pelo então Baltimore Bullets, acompanhou a franquia em sua mudança e vestiu as cores da equipe como Capital Bullets e, posteriormente, Washington Bullets. Somente em 1997 o time mudaria de nome e passaria a ser chamado de Wizards.

Mas foi na temporada 1977/1978 que Chenier viveu o auge e ajudou a franquia de Washington a conquistar seu único título da NBA até hoje, com média de 14,1 pontos por partida. Após oito temporadas e meia vestindo as cores do Bullets, o ala atuou por meio ano no Indiana Pacers e mais um no Golden State Warriors antes de deixar a liga.

Mesmo após deixar o basquete profissional, Chenier seguiu ligado ao time e já atua há 33 anos como comentarista da TV do Wizards. Até por isso, foi reconhecido pela franquia e se tornará no dia 23 de março de 2018, no duelo diante do Denver Nuggets, o quinto atleta da história da equipe a ter o número aposentado, ao lado de Wes Unseld (41), Elvin Hayes (11), Gus Johnson (25) e Earl Monroe (10).

Para informá-lo da homenagem, o Wizards realizou uma surpresa. Chenier visitou o ala/armador Bradley Beal para, supostamente, fazer uma matéria para a TV da franquia e foi avisado pelo jogador. "Quase chorei, porque posso apenas imaginar como ele se sente, o quanto de trabalho duro ele colocou no jogo. Muita gente não entende o quanto ele significa para nós", disse Beal.

Tudo o que sabemos sobre:
NBA

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.