CBB fará homenagem aos medalhistas olímpicos de 1964

Seleção masculina conquistou o bronze nos Jogos de Tóquio, 50 anos atrás, a única da delegação brasileira naquela Olimpíada

Estadão Conteúdo

05 de dezembro de 2014 | 15h01

Um dos resultados mais importantes da história do basquete brasileiro completa 50 anos em 2014, e a Confederação Brasileira de Basquete (CBB) não deixará a data passar em branco. Nesta sexta-feira, a entidade anunciou que fará uma homenagem aos jogadores que conquistaram a medalha de bronze na Olimpíada de Tóquio, em 1964.

O evento acontecerá na próxima terça, no restaurante social do Esporte Clube Sírio, em São Paulo. Boa parte dos nomes que participaram da campanha confirmaram presença: Amaury Pasos, Antônio Sucar, Mosquito, Fritz Braun, Jatyr Schall, Edvar Simões, Sérgio Macarrão, Vitor Mirshauswka e Wlamir Marques. Estarão presentes também familiares dos já falecidos Rosa Branca, Edson Bispo e Ubiratan Maciel.

"Vamos fazer essa justa homenagem aos nossos heróis que há cinquenta anos conquistaram a única medalha da delegação brasileira nas Olimpíadas de Tóquio. Na disputa do bronze, o Brasil superou Porto Rico (76 a 60) e o basquete nacional escreveu mais um capítulo de glória na história do esporte mundial", disse o presidente da CBB, Carlos Nunes.

Na campanha de 1964, o Brasil perdeu para o Peru na estreia, mas depois venceu quatro jogos seguidos, contra Iugoslávia, Coreia do Sul, Finlândia e Uruguai. Após nova derrota, desta vez para os Estados Unidos, venceu a Austrália e se classificou para a semifinal, na qual caiu diante da União Soviética. Na disputa pelo bronze, vitória tranquila sobre Porto Rico.

Esta geração é a mais vitoriosa da história do basquete brasileiro. Quatro anos antes, nos Jogos Olímpicos de Roma, em 1960, a equipe já havia ficado com o bronze. Também com praticamente os mesmos jogadores, foi bicampeã mundial em 1959, no Chile, e em 1963, em casa, no Brasil.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.