Reprodução
Reprodução

Clubes enviam carta ao presidente da CBB com apoio 'irrestrito à LNB'

Guy Peixoto entende postura, mas reforça o discurso de que a liga precisa respeitar a hierarquia

Marcius Azevedo, O Estado de S.Paulo

13 de fevereiro de 2019 | 04h30

O imbróglio entre Confederação Brasileira de Basquete e Liga Nacional de Basquete ganhou mais um capítulo. Os clubes enviaram uma carta para a CBB em que indicam 'apoio irrestrito à LNB na condução no Campeonato Brasileiro, hoje intitulado NBB, e demais competições que a entidade organiza com autonomia legal, profissionalismo e transparência.'

O documento, obtido com exclusividade pelo Estado, foi assinado por 17 equipes - os 14 times que disputam o NBB, além de Campo Mourão, Macaé e Caxias do Sul - e destaca ainda os pontos positivos do trabalho da liga nos 11 últimos anos.

A relação pouco amigável entre CBB e LNB se tornou pública no fim de 2018, quando a entidade máxima do basquete brasileiro divulgou portaria com diversas condições a serem cumpridas pela liga para manter a chancela para organizar o Campeonato Brasileiro adulto.

Entre os temas mais espinhosos estão o respeito a hierarquia e a aceitação do Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) organizado pela CBB. Não à toa, os clubes citam na carta que a LNB tem uma 'justiça eficaz, célebre e imparcial'.

"É natural este apoio dos clubes. A liga é deles. Mas repito que somos pelo basquete, não tenho nada contra ninguém. Prezamos apenas pela hierarquia. A liga é uma concessão e precisa respeitar as regras", afirmou o presidente da CBB, Guy Peixoto, ao Estado

Em meio ao imbróglio, a CBB lançou um Campeonato Brasileiro adulto, que começa em março e terá nove equipes. A princípio, o torneio será uma espécie de segunda divisão. A competição faz parte do plano de massificação do esporte.

Nos bastidores, há uma movimentação para um encontro entre Guy e o presidente da LNB, Kouros Monadjemi, com mediação do presidente do Comitê Olímpico do Brasil (COB), Paulo Wanderley. Para o presidente da CBB, não existe necessidade de um mediador. O dirigente espera, em breve, se encontrar com Kouros, para que as arestas sejam aparadas. 

"Não precisamos de um mediador para esta conversa. O Baka (Ricardo Trade,  diretor sênior de operação da CBB) está sempre em contato com o Kouros. Também não tenho problema em me reunir com ele. O que aconteceu é que lá atrás eles mandaram uma carta sem nexo. O que queremos é que eles cumpram o que foi acordado. Se isso acontecer não teremos problema nenhum. Somos pelo basquete, repito", afirmou Guy.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.