Chris Carlson/EFE
Chris Carlson/EFE

Coadjuvantes de Kobe Bryant aparecem na vitória dos Lakers

Pau Gasol e Lamar Odom seguram Dwight Howard e deixam para trás fama de 'desaparecer' em decisões

Alan Rafael Villaverde, enviado especial do estadao.com.br,

05 de junho de 2009 | 10h52

LOS ANGELES - Os 40 pontos de Kobe Bryant foram o ponto alto da vitória do Los Angeles Lakers por 100 a 75 diante do Orlando Magic na primeira partida da final da NBA. Mas os coadjuvantes Pau Gasol e Lamar Odom fizeram ótima partida defensiva, evitando as penetrações dos armadores do Orlando Magic e, consequentemente, isolando o pivô Dwight Howard.

Veja também:

linkBryant quebra marca pessoal, mas destaca coletivo dos Lakers

linkJackson sem euforia, apesar de vitória fácil dos Lakers

linkTécnico do Orlando Magic coloca a culpa em si pela derrota

linkJOGO - Bryant brilha e Lakers vencem Magic

mais imagens GALERIA - Veja as melhores imagens da final

blog BATE-PRONTO - Histórias da cobertura da final

forum QUIZ - Sabe tudo da final da NBA? Participe!

Com o inglês em dia, o pivô espanhol comemorou sua marcação sobre Howard. "Primeiramente, você tem de fazer com que ele se sinta desconfortável, e nós fizemos isso ao sempre trocar a marcação e evitar cestas fáceis. O jeito é manter a marcação apertada e fazer com que ele trabalhe com seus pés para fazer os pontos."

A explicação de Gasol ficou evidente durante boa parte do jogo, quando Howard tinha de trabalhar com os pés e acabava errando o tempo do arremesso. E, com a dificuldade dos arremessadores de longa distância do Magic, o jogo ficou totalmente favorável aos Lakers.

Antes titular, Odom voltou a jogar bem e tem sido um fator diferencial para o banco de reservas dos Lakers. "A vitória pode ser creditada ao esforço coletivo. Gasol jogou muito bem, Kobe continua sendo nosso diferencial e eu tentei ajudar da melhor maneira possível. Sabia que, saindo do banco, tinha de forçar as jogadas e fazer alguns pontos", comentou o jogador, que terminou a partida com 11 pontos e 14 rebotes.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.