EFE/Elvira Urquijo A.
EFE/Elvira Urquijo A.

Com 10º Mundial, EUA reforçam favoritismo no basquete feminino para a Olimpíada

Invicta há mais de 12 anos em competições internacionais, a equipe norte-americana fez 73 a 56 contra a Austrália na decisão

Estadão Conteúdo

01 Outubro 2018 | 13h54

Assim como acontece entre os homens, a seleção feminina de basquete dos Estados Unidos voltou a mostrar que deverá chegar aos Jogos Olímpicos de Tóquio, em 2020, como franca favorita a conquistar a medalha de ouro na modalidade. Este favoritismo aumentou depois que a equipe norte-americana ganhou, no último domingo, em Tenerife, na Espanha, o seu décimo título do Campeonato Mundial.

Invicta há mais de 12 anos em competições internacionais, a equipe feminina dos EUA ficou com a taça ao vencer a Austrália por 73 a 56 na decisão do torneio. Foi um tricampeonato do time nacional, que também se sagrou vencedor nas duas edições anteriores do Mundial, em 2010, na República Checa, e 2014, na Turquia. Antes disso, o time do país também ficou com o troféu de campeão em 1953, 1957, 1979, 1986, 1990, 1998 e 2002.

A conquista em solo espanhol também assegurou às norte-americanas uma vaga automática para Tóquio-2020, competição na qual lutarão para o dar ao seu país o sétimo ouro olímpico consecutivo após a seleção feminina ter subido ao topo do pódio nas edições de 1996, 2000, 2004, 2008, 2012 e 2016 dos Jogos. Antes disso, faturou o título da Olimpíada entre as mulheres nesta modalidade em 1984 e 1988.

Em meio a este período de longa supremacia, em um raro tropeço, a seleção do país teve de se contentar com uma medalha de bronze no Mundial de 2006, realizado no Brasil. Naquela ocasião, as norte-americanas garantiram o terceiro lugar com uma massacrante vitória de 99 a 59 sobre o Brasil. Desde então, a seleção dos Estados Unidos se manteve invicta e, apenas nesta competição, agora contabiliza 22 jogos seguidos sem perder, fato que culminou neste tricampeonato consecutivo garantido neste domingo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.