Fazry Ismail/EFE
Fazry Ismail/EFE

Com 100% de aproveitamento no Mundial, seleção brasileira de basquete empolga

Convidamos dois especialistas na modalidade para comentar o desempenho da equipe na competição

Paulo Favero, O Estado de S.Paulo

06 de setembro de 2019 | 04h30

A boa campanha do Brasil no Mundial Masculino de Basquete está deixando o torcedor empolgado com o time do técnico Aleksandar Petrovic. A seleção passou por Nova Zelândia, a favorita Grécia e venceu ainda Montenegro. Com 100% de aproveitamento, o time se classificou para a próxima fase na primeira posição e ainda sonha com a vaga nos Jogos de Tóquio.

O Estado convidou dois especialistas no assunto a falar sobre o desempenho da seleção brasileira. O primeiro é Marcelinho Machado, ex-capitão da equipe e que tem uma longa trajetória com a camisa do Brasil. O segundo é o armador Gegê, cinco vezes campeão do NBB e que agora está no Pato Basquete (PR).

"A primeira fase do Brasil foi excelente, superando as expectativas. A gente sabia que era um grupo difícil, que lutaria para passar para a segunda fase, mas ficamos em primeiro e ganhamos da Grécia. Mais do que as vitórias, o time está mostrando maturidade e uma forma de jogar que passa confiança à torcida. O campeonato está muito equilibrado, mas acho que o Brasil se coloca no grupo das seleções que estão apresentando um grande basquete. O céu é o limite e vamos sonhar alto."

Marcelinho Machado, ex-capitão da seleção brasileira


"Estou muito feliz em ver o Brasil jogando dessa maneira. Temos um grupo forte, talentoso e equilibrado entre atletas experientes e jovens. A primeira fase ajudou a dar mais confiança, a mostrar que é possível sonhar e alçar voos mais altos. Temos um jogo importante agora contra a República Checa e, depois, contra os Estados Unidos. E nosso jogo está muito sólido e consistente. Acredito muito que a seleção tem tudo para chegar longe."

Gegê, armador do Pato Basquete (PR)

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.