Werther Santana/Estadão
Werther Santana/Estadão

Com 50% dos jogos ao vivo, NBB10 começa com reedição da última final

Bauru e Paulistano jogam neste sábado, em São Paulo, na abertura da temporada

Marcius Azevedo, O Estado de S.Paulo

04 Novembro 2017 | 07h00

Com a projeção de exibir 50% das partidas ao vivo, a décima edição do NBB começa neste sábado com a reedição da final da última temporada entre Sendi/Bauru Basket e Paulistano/Corpore. O jogo no ginásio Antonio Prado Junior, em São Paulo, será o primeiro dos 130 que serão transmitidos ao longo da competição.   

+ LNB renova contrato com a Band para transmissão do NBB por dois anos

O aumento de aproximadamente 20 jogos em relação à temporada passada foi possível com uma inédita parceria com o Twitter. A plataforma, que faz transmissões da NBA e NFL nos EUA, transmitirá pela primeira vez no Brasil. As partidas serão sempre às sextas-feiras, pela conta do NBB e das equipes envolvidas, para qualquer pessoa por desktop, celular, tablets e outros aparelhos conectados, como Apple TV e Microsoft Xbox One.

Os jogos serão transmitidos também pelo Facebook (quintas-feiras), SporTV (terças e eventualmente sábados) e Band (sábados). Às vésperas do início da competição, a Liga Nacional de Basquete, responsável pela competição, renovou o acordo com a Band e, no novo contrato, há previsão de reprises no BandSports - as partidas ao vivo no canal só devem começar em 2018.

"É uma felicidade grande poder ver que teremos jogos do NBB sendo exibido praticamente todos os dias de rodada. São quatro jogos por semana. Porém, nossa meta é alcançar os 100% de transmissões dos jogos e acredito que esse dia está cada vez mais perto", afirmou o presidente da LNB, João Fernando Rossi.

A LNB quer alcançar no Twitter o mesmo sucesso que obteve com o Facebook na temporada passada. Ao todo foram transmitidos via streaming 39 jogos, com 1,79 milhão de visualizadores únicos, um aumento de 571% em relação ao NBB8. Destaque para o jogo 3 das quartas de final entre Flamengo e Pinheiros, com 179 mil visualizadores únicos.   

"A Liga sempre se preocupou em proporcionar as melhores experiências aos fãs seja na quadra ou fora dela. Desde 2014, temos as transmissões de jogos via streaming e o engajamento do público com o NBB tem sido impressionante", afirmou o presidente da LNB. "Agora temos chance de ampliar o número de jogos ao vivo", completou.

Exibir mais partidas faz parte da meta de atrair o público que gosta do basquete de volta aos ginásios. Apesar de uma taxa de ocupação de 70% na temporada passada, Rossi ainda acredita que os times precisam melhorar o espetáculo para fidelizar os fãs. 

"Meu parâmetro é o Jogo das Estrelas da temporada passada, no Ibirapuera", afirmou Rossi, citando o evento que foi um sucesso em São Paulo, em março deste ano. Para o presidente da LNB, poucos times proporcionam uma experiência além do aspecto esportivo. "Atualmente temos Franca e Mogi das Cruzes."

O crescimento do NBB, que é um torneio consolidado depois de nove edições, passa pela iniciativa dos times. Para Rossi, que comanda uma liga que não é deficitária - também não dá lucro -, é necessário investir. "A liga será maior os clubes entenderem o que precisa ser feito, que você precisa melhorar sua estrutura, investir em comunicação e outras áreas fundamentais."  

Apesar de diversos patrocinadores, entre eles Caixa, Sky, Infraero, Avianca, Nike e Penalty, a LNB atualmente não repassa dinheiro aos clubes. Também não há uma premiação para o campeão. Segundo Rossi, a liga ajuda seus filiados com subsídios, como o pagamento de taxa de arbitragem e passagens aéreas.

"O repasse financeiro é sempre algo que trabalhamos para conseguir para os clubes, no entanto, não podemos esquecer que tudo o que é conquistado na Liga é direta ou indiretamente dos próprios clubes. Toda a logística de staff e arbitragem, as transmissões dos jogos, os eventos e toda parte de tecnologia, como softwares de estatísticas e análise de desempenho dos jogos, estão dentro do orçamento da Liga e os clubes usufruem disso. Temos conseguido avançar muito na estrutura nos últimos anos e vamos, sim, ajudar cada vez mais os clubes", explicou.

Dentro de quadra, o NBB10 terá 15 equipes depois da desistência de Brasília e Macaé. São oito estados diferentes - São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Rio Grande Do Sul, Paraná, Santa Catarina, Ceará e Bahia - com representantes no torneio. Doze equipes avançam aos playoffs, que terá oitavas, quartas e semifinais, além da decisão.

Atual campeão, Bauru entra novamente como favorito, assim como o Paulistano, que foi vice na temporada passada e acabou de conquistar o título do Campeonato Paulista. Com um investimento alto, Franca e Vasco são outras equipes em condições de brigar pelo título, em um torneio que promete ser bastante equilibrado. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.