Athit Perawongmetha/Reuters
Athit Perawongmetha/Reuters

Didi lesiona joelho e fica fora de jogos da seleção de basquete contra o Uruguai

Ala do Sydney Kings ficará até 20 dias parado para conseguir se recuperar do problema

Redação, Estadão Conteúdo

03 de fevereiro de 2020 | 13h22

A seleção brasileira masculina de basquete terá um desfalque importante para as partidas contra o Uruguai, nos próximos dias 21 e 24, pelas Eliminatórias da Copa América. Em contato com a Confederação Brasileira de Basketball (CBB), o ala Didi, do Sydney Kings, pediu liberação destes compromissos depois que exames de ressonância magnética constataram uma lesão no joelho esquerdo.

Desgaste físico e dores no joelho esquerdo por conta de uma sequência de competições importantes, sem descanso, motivaram o pedido de Didi, que já havia ficado fora de alguns jogos do Sydney Kings no início do ano em razão de um estiramento na panturrilha da perna direita. O ala justificou o pedido à comissão técnica para recuperar o melhor condicionamento físico e ficar saudável para a sequência da temporada.

No último sábado, Didi foi submetido aos exames de ressonância magnética e o resultado o afasta do Sydney Kings com tempo previsto de recuperação entre 15 e 20 dias. O brasileiro não teve férias em 2019 emendando NBB (pelo Franca), Eliminatórias do Mundial, Draft da NBA, Summer League, Mundial da China e a chegada à Austrália.

Depois do vice do NBB, em junho do ano passado, Didi seguiu para os Estados Unidos, onde treinou nas semanas seguintes para equipes da NBA, sendo escolhido pelo Atlanta Hawks na 35.ª posição - envolvido em negociação com o New Orleans Pelicans - no Draft de 2019.

O brasileiro ainda disputou a Summer League e, em seu retorno ao Brasil, se apresentou à seleção brasileira para os treinos visando o Mundial da China. Da Ásia, ao término da competição, Didi voou direto para Sydney e se apresentou aos Kings.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.