Divulgação: Sydney Kings
Divulgação: Sydney Kings

Didi Louzada, ala brasileiro do Sydney Kings, revela ter sido vítima de racismo na Austrália

Atleta do basquete contou que foi impedido de entrar em um estabelecimento local e que segurança chegou a perguntar se ele usava drogas, relata nas redes

Redação, O Estado de S.Paulo

06 de novembro de 2020 | 10h30

O ala-armador brasileiro Didi Louzada, do Sydney Kings, revelou ter sido vítima de racismo nesta sexta-feira na Austrália. O jogador de basquete contou nas redes sociais que saiu para comer e beber com seus amigos, mas foi barrado na entrada de um estabelecimento na cidade de Sydney por um segurança que os julgou por suas vestimentas e tatuagens.

"Hoje passei por uma coisa que pensei que não aconteceria jamais comigo. Eu e meus amigos fomos em um lugar para comer e beber e o segurança foi racista com a gente. Sim, isso mesmo. O cara nos julgou pelas nossas roupas e pelas minhas tatuagens e porque tenho uma tatuagem no pescoço", escreveu o jogador, em seu perfil no Twitter.

Didi ainda contou que o segurança ironizou e perguntou se ele era usuário de drogas. "Só queríamos entrar pra comer, beber e ir embora, nada mais. E além de nos julgar, perguntou se a gente usava drogas????? Tirou sarro de mim quando disse que jogava (basquete), quando me perguntou com o que eu trabalhava...", relatou. O Estadão entrou em contato com a assessoria do jogador, que busca mais informações sobre o caso. Não foi informado se o brasileiro e seus amigos deram queixa na polícia. 

O ala-armador joga na Liga Nacional de Basquete da Austrália. Na temporada passada, Louzada foi draftado pelo Atlanta Hawks, da NBA, mas teve seus direitos negociados com o New Orleans Pelicans. Assim, tornou-se o 18ª brasileiro a integrar a maior liga de basquete do mundo. Sem espaço na franquia americana, ele foi transferido para o Sydney Kings. 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.