Disputa trabalhista leva NBA a processar sindicato de jogadores

Liga acusa o sindicato dos jogadores de ter agido de má fé nas negociações de um novo acordo

Andrew Longstreth, REUTERS

02 de agosto de 2011 | 20h07

NOVA YORK - A NBA, entidade que organiza o basquete profissional nos EUA, abriu na terça-feira um processo na Justiça federal de Manhattan contra o sindicato dos jogadores para tentar provar que sua greve patronal não viola as leis antitruste.

O sindicato havia ameaçado usar essas leis para obter um contrato mais favorável nas atuais negociações trabalhistas. "As ameaças impróprias do sindicato estão tendo um efeito direto, imediato e nocivo sobre a capacidade das partes de negociar um novo acordo coletivo", disse o processo da NBA.

Também na terça-feira, a liga apresentou queixa à Comissão Nacional de Relações do Trabalho, acusando o sindicato dos jogadores de ter agido de má fé nas negociações.

Em nota, o diretor-executivo da associação dos jogadores, William Hunter, disse que é a NBA que está agindo de má fé, e que confia no arquivamento dos processos.

A NBA alega que, durante as negociações, o sindicato dos jogadores ameaçou repetidamente renunciar ao seu papel como representante dos atletas.

Se a disputa não for resolvida até o início da temporada, em novembro, a liga profissional de basquete dos EUA pode ter sua primeira paralisação desde 1998, quando um outro conflito trabalhista levou o calendário a ser reduzido de 82 para 50 partidas.

Tudo o que sabemos sobre:
basqueteNBAlocauteDavid Stern

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.