Garrett Ellwood / Getty Images via AFP
Garrett Ellwood / Getty Images via AFP

Do US$ 1 milhão de Jordan por temporada aos acordos bilionários; veja a evolução os salários da NBA 

Nikola Jokic receberá o maior salário da história da liga americana de basquete em acordo de R$ 1,3 bilhão, superando diversas estrelas do passado, como o lendário camisa 23 do Chicago Bull

Lucas de Amorim, especial para o Estadão

04 de julho de 2022 | 20h00

O período de agência livre da NBA é, geralmente, marcado por novas contratações, trocas entre equipes, montagens de novos times e renovações. Neste último aspecto, o mercado desta temporada tem tudo para ser histórico. A começar pela renovação bilionária de Nikola Jokic com o Denver Nuggets que o transformou no jogador mais bem pago na história da liga americana. O sérvio receberá, até 2028, cerca de US$ 264 milhões (R$ 1,3 bilhão). Como base de comparação, em 15 anos, Michael Jordan recebeu cerca de US$ 94 milhões em salários. 

Esse valor, corrigido pela inflação entre o ano da segunda aposentadoria de Jordan (1999) e os dias atuais, seria de US$ 164 milhões hoje (R$ 872 milhões). Armênio Neto, especialista em negócios do esporte, explica que o valor do produto oferecido pela NBA é muito maior atualmente e isso reflete no ganho dos atletas. "A NBA cresceu, se expandiu e ampliou seus negócios. Portanto, é natural que os atletas de agora ganhem mais do que os profissionais de 20 anos atrás", comentou. "É justo que o atleta, que é protagonista do show e do produto, fique com uma fatia relevante do bolo."

As grandes renovações das temporadas atuais podem explicar essa diferença salarial entre as gerações. Até agora, renovaram com suas equipes: Nikola Jovic com o Nuggets; Devin Booker com Phoenix Suns por US$ 224 milhões entre 2024 e 2028; Bradley Beal com Washington Wizards por US$ 251 milhões até 2027; Karl-Anthony Towns com Minnesota Timberwolves por US$ 224 milhões entre 2024 e 2028; Ja Morant com Memphis Grizzlies por US$ 193 milhões nos próximos cinco anos; e Zion Williamson, que fechou por cinco anos com o New Orleans Pelicans por US$ 231milhões.

Esses contratos, além de pagarem mais, são mais curtos do que nos anos 1990, por exemplo. Jordan, entre a temporada que foi draftado (1984) e sua renovação em 1989, ganhava menos de US$ 1 milhão por ano. Quando renovou, o contrato era de US$ 25,7 milhões por oito anos, pouco mais de US$ 3 milhões por temporada. Apenas na renovação seguinte, o maior de todos os tempos se tornou o atleta mais bem pago da liga. Na temporada 1996-97, ele faturou mais de US$ 30 milhões em um único ano.

EVOLUÇÃO DA LIGA

No mesmo período, com apenas três anos de NBA, o jovem Kevin Garnett renovou seu contrato com o Minnesota Timberwolves por US$ 126 milhões a serem pagos em seis anos (US$ 21 milhões por ano), o que mostrava que a liga estava se tornando mais rentável aos jogadores. Hoje, os atletas renovam seus contratos de calouro mais cedo. Além disso, a depender da idade do jogador, os times têm um limite de anos de extensão de contrato, que pode variar de 4 a 5 anos para jogadores que renovaram com as equipes que os draftaram.

O teto salarial (salary cap) da liga é constantemente revisado e varia conforme os ganhos da associação. Além disso, diferentemente de outras ligas, a NBA possui regras que deixam o teto mais flexível, permitindo que as folhas de vários times ultrapassem o limite. Por time, o teto salarial para a temporada 2022-23 está em US$ 122 milhões. Porém, uma dessas exceções está, por exemplo, na possibilidade de um time ultrapassar o teto estipulado para cobrir ofertas feitas aos seus jogadores em fim de contrato.

PROBLEMA INTERNO

Não era apenas Jordan que tinha problemas salariais naquele Chicago Bulls dos anos 1990. Um dos casos mais famosos envolveu Scottie Pippen, ala seis vezes campeão da NBA. A história, inclusive, chegou a ser retratada na série Last Dance (Netflix), que trata sobre os últimos passos de MJ pelos Bulls. Na época, em 1998, Jordan era o jogador mais bem pago da liga, enquanto seu companheiro Pippen estava na 122ª posição.

Em 1991, o jogador fechou um contrato de sete anos por US$18 milhões, menos de US$ 3 milhões por temporada. Nesse tempo, com Pippen no time, o Bulls foi campeão seis vezes. Ao final desse período, o ala teria atrasado uma cirurgia com objetivo de ser valorizado. Na época, outros jogadores reprimiram a atitude, fazendo com que a equipe o afastasse. Após o título de 1998, Pippen partiu para os Rockets, ganhando US$11 milhões por temporada.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.