Martin Mejia/AP
Martin Mejia/AP

Em quinteto ideal, Marcelinho Huertas valoriza luta do basquete do Brasil

Armador terminou Pré-Olímpico com médias de 11,6 pontos, 2,6 rebotes e 5 assistências por jogo

AE, Agência Estado

12 de setembro de 2011 | 11h29

MAR DEL PLATA - A conquista da vaga da seleção brasileira masculina de basquete para a Olimpíada de Londres, em 2012, teve muito da mão do armador Marcelinho Huertas. Comandante da equipe, ele apareceu nos momentos decisivos e se destacou de tal forma que foi eleito para o quinteto ideal do Pré-Olímpicos das Américas, encerrado neste domingo, em Mar del Plata, na Argentina.

Huertas, que terminou a competição com médias de 11,6 pontos, 2,6 rebotes e 5 assistências por jogo, é o único atleta que não atua na NBA a figurar no time ideal. Além dele, foram apontados o armador porto-riquenho Carlos Arroyo, o pivô dominicano Al Horford e dois jogadores da campeã Argentina: o ala/armador Manu Ginóbili e o ala/pivô Luis Scola, que também recebeu o prêmio de jogador mais valioso do torneio.

Mesmo com a conquista da vaga e a indicação como melhor armador, o jogador brasileiro lamentou a derrota na final, por 80 a 75, para os argentinos. "Lutamos até o final, mas não conseguimos a vitória e o título, que era o nosso objetivo, depois que garantimos a vaga nos Jogos Olímpicos de Londres", declarou.

Já o pivô Tiago Splitter, outro dos líderes da seleção brasileira, mas que acabou ficando muito abaixo do esperado no campeonato, preferiu apenas celebrar a campanha. "Nós tínhamos apenas um objetivo, que era ir para Londres", afirmou.

Com a segunda colocação no Pré-Olímpico das Américas, o Brasil garantiu classificação para o torneio masculino dos Jogos Olímpicos pela primeira vez desde 1996, quando a equipe ainda era liderada pelo ala Oscar.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.