Kevin C.Cox/AFP
Kevin C.Cox/AFP

'Como negros, estamos com medo nos Estados Unidos', diz LeBron James

'Não posso nem mesmo curtir uma vitória nos playoffs agora. Para ser franco, nossa comunidade está fu****', disse o astro do Los Angeles Lakers

Redação, Estadão Conteúdo

25 de agosto de 2020 | 13h30

O final da rodada de segunda-feira dos playoffs da NBA, que estão sendo disputados dentro da "bolha" criada no complexo Wide World of Sports, pertencente à Disney, em Orlando, não foi marcado somente pelo que foi apresentado nas quadras. Astros da NBA como LeBron James, do Los Angeles Lakers, e Donovan Mitchell, do Utah Jazz, usaram suas redes sociais para pedir justiça depois que a polícia do estado de Wisconsin atirou sete vezes pelas costas em Jacon Blake, um homem negro, em um ataque no último domingo que reavivou os protestos contra o racismo nos Estados Unidos.

"Não posso nem mesmo curtir uma vitória nos playoffs agora. Para ser franco, nossa comunidade está fu****. Eu sei que as pessoas se cansam de me ouvir dizer isso, mas nós estamos com medo como negros nos Estados Unidos. Homens negros, mulheres negras, crianças negras, estamos aterrorizados", disse LeBron logo após a vitória dos Lakers sobre o Portland Trail Blazers, que fez com que o seu time abrisse 3 a 1 na série da primeira rodada dos playoffs da Conferência Oeste.

"E perguntam por que dizemos o que dizemos sobre a polícia!", tuitou LeBron James, em uma publicação em que compartilha o vídeo do ataque a Blake. "Alguém, por favor, me diga o que diabos é isto?! Exatamente outro homem negro sendo um alvo (...) Sinto tanta pena por ele, por sua família e pela nossa gente!! Queremos JUSTIÇA!", clamou o astro da NBA.

As imagens de Blake sendo baleado por policiais ganharam as manchetes internacionais. Os policiais respondiam a um distúrbio doméstico. Segundo os advogados de Blake, o homem de 29 anos tentava separar uma briga entre duas mulheres. Ele foi conduzido pelos policiais até a porta de seu carro, onde levou sete tiros na frente de seus três filhos, que estavam no veículo. Está internado em estado estável segundo sua família.

"Vão à m... as partidas e os playoffs!! Isso é doentio e um problema real. Pedimos justiça!", exigiu Donovan Mitchell, em seu Twitter. "É uma loucura e não tenho palavras. É por isso que não nos sentimos seguros", criticou o jogador, mais um a manter seu protesto pela igualdade racial com vários gestos, como exigindo a prisão dos responsáveis por casos de violência policial.

O movimento Black Lives Matter (Vidas Negras Importam) ganhou força na NBA depois da morte de George Floyd, homem negro assassinado por um policial em maio no estado de Minnesota. George Hill, do Milwaukee Bucks, fez coro a Mitchell.

"Nós nem deveríamos ter vindo a este maldito lugar, para ser honesto. Acho que vir apenas aqui tirou todos os pontos focais de quais são os problemas. Mas nós estamos aqui, então é o que é. Não podemos fazer nada daqui, mas acho que definitivamente, quando estiver tudo resolvido, algumas coisas terão que ser feitas", disse.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.