Reprodução/Twitter/Bucks
Reprodução/Twitter/Bucks

'Estamos pedindo justiça para Jacob Blake', dizem jogadores dos Bucks após boicote na NBA

Atletas participaram de teleconferência com o procurador-geral de Wisconsin, onde ocorreu o caso no último domingo

Redação, O Estado de S.Paulo

26 de agosto de 2020 | 21h30

Responsáveis por iniciar um boicote que forçou o adiamento de três jogos pelos playoffs da NBA nesta quarta-feira, os jogadores do Milwaukee Bucks se pronunciaram poucas horas depois da decisão e pediram justiça para o caso de Jacob Blake. George Hill e Sterling Brown foram os escolhidos para representar o elenco. O pronunciamento ocorreu após os jogadores participarem de uma teleconferência com o procurador-geral de Wisconsin, Josh Paul, e o vice-governador Mandela Barnes. 

"Estamos pedindo justiça para Jacob Blake e exigindo que os oficiais sejam responsabilizados. Para que isso ocorra, é imperativo que o Legislativo do Estado de Wisconsin se reúna após meses de inação e tome medidas significativas para tratar de questões de responsabilidade policial, brutalidade e reforma da justiça criminal", afirmaram os jogadores no comunicado.

O caso que motivou o protesto dos jogadores ocorreu no último domingo, em Wisconsin. Os policiais respondiam a um distúrbio doméstico. Segundo os advogados de Blake, o homem de 29 anos tentava separar uma briga entre duas mulheres. Ele levou sete tiros pelas costas ao ir até o seu carro. Os seus três filhos estavam no veículo. Está internado em estado estável, mas paralisado da cintura para baixo e, segundo sua família, só um milagre para voltar a andar. Toda a cena foi filmada por um morador e as imagem foram espalhadas internacionalmente.

"Os últimos quatro meses lançaram uma luz sobre as injustiças raciais em curso que as comunidades afro-americanas enfrentam. Cidadãos de todo o país têm usado suas vozes e plataformas para se manifestar contra esses delitos", afirmaram os jogadores. "Incentivamos todos os cidadãos a se educarem, a tomarem medidas pacíficas e responsáveis e a se lembrarem de votar em 3 de novembro", completaram.

Antes do pronunciamento da equipe, os proprietários do Milwaukee Bucks já haviam divulgou um comunicado para apoiar os jogadores. "Nós apoiamos totalmente nossos jogadores e a decisão que eles tomaram. Embora não soubéssemos de antemão, teríamos concordado com eles de todo o coração", publicou o time no Twitter.

"A única maneira de trazer mudanças é iluminar as injustiças raciais que estão acontecendo à nossa frente. Nossos jogadores fizeram isso e nós continuaremos ao lado deles e exigiremos responsabilidade e mudança", acrescentou o comunicado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.