AP
AP

Ex-chefão da Microsoft deve comprar os Clippers por US$ 2 bilhões

Negócio já é dado com ocerto nos Estados Unidos e acabaria com a polêmica com Donald Sterling

Agência Estado

30 de maio de 2014 | 09h45

LOS ANGELES - O ex-CEO da Microsoft Steve Ballmer está perto de se tornar o mais novo dono de uma franquia da NBA. Na noite da última quinta-feira, ele chegou a um acordo com Shelly Sterling, esposa de Donald Sterling, para comprar o Los Angeles Clippers por valor recorde na liga: US$ 2 bilhões (cerca de R$ 4,4 bilhões).

Shelly passou a negociar a venda dos Clippers depois que seu marido, Donald, foi envolvido em uma polêmica por declarações racistas. Ele foi flagrado dando uma bronca em sua namorada, V. Stiviano, por tirar fotos com o ex-armador Magic Johnson e por "trazer pessoas negras" aos jogos do time de Los Angeles.

Donald Sterling, então, foi banido da liga e obrigado a vender a franquia. Por isso, Shelly assumiu o controle das negociações. Ela é dona de 50% das ações da empresa Sterling Family Trust, que controla os Clippers. Como o próprio Donald é dono dos outros 50%, é necessário que ele também concorde com a venda, mesmo estando banido da NBA. A própria liga ainda precisa aceitar o acordo para que ele seja finalizado.

Apesar das pendências, Shelly tratou a venda como já sacramentada em nota oficial e confirmou que Steve Ballmer será o novo dono dos Clippers. "Ballmer será um dono fantástico", garantiu. "Nós trabalhamos por 33 anos para transformar os Clippers em uma franquia de primeira. Estou confiante que Steve vai levar o time a novos níveis de sucesso."

O próprio Ballmer já deu a negociação como finalizada e celebrou o acordo. "Eu amo basquete e tenho a intenção de fazer tudo que estiver ao meu alcance para garantir que os Clippers continuem a vencer, e sonhar grande, em Los Angeles. A cidade é uma das maiores do mundo, uma cidade que abraça a inclusão, do mesmo jeito que a NBA e eu abraçamos a inclusão."

Donald Sterling, no entanto, não parece disposto a aceitar o acordo no momento. Após ser banido da liga, ele chegou a dizer que não venderia os Clippers, voltou atrás, mas parece novamente decidido a não negociar, pelo menos não com Ballmer. "Sterling não está vendendo o time. Esta é sua posição, ele não vai vender", disse seu advogado, Bobby Samini.

Apesar das declarações, o negócio deve mesmo acontecer e já é dado como certo nos Estados Unidos. Se for realmente finalizado, Ballmer vai adquirir uma franquia em alta na NBA. Depois de anos no ostracismo, os Clippers se tornaram o time forte de Los Angeles, com estrelas como Chris Paul e Blake Griffin. Nesta temporada, chegou às semifinais da Conferência Oeste, perdendo para o Oklahoma City Thunder.

Tudo o que sabemos sobre:
basqueteNBALos Angeles Clippers

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.