LNB/Divulgação
LNB/Divulgação

Ex-Flamengo, João Vitor lamenta tragédia e quer provar valor no São Paulo

Pivô de 21 anos, que morou no alojamento do clube rubro-negro, é o destaque da equipe tricolor na Liga Ouro

Marcius Azevedo, O Estado de S.Paulo

26 de fevereiro de 2019 | 04h30

Aos 21 anos, João Vitor vive o divisor de águas na carreira. Revelado pelo Flamengo, onde recebeu poucas chances no profissional, o pivô de 2,13m tenta provar seu valor no São Paulo. Até aqui, o desempenho tem sido espetacular, com médias de 20,5 pontos e 13 rebotes. A equipe enfrenta Campo Mourão nesta terça-feira, no Morumbi, pela terceira rodada da Liga Ouro.

No Flamengo, o pivô teve médias de 1,4 pontos e um rebote no NBB. Na Liga de Desenvolvimento, o desempenho foi melhor, com 13,6 pontos e 10,7 rebotes. 

"Entendo que não tive chance no Flamengo porque tinham jogadores melhores e mais experientes na minha frente. Varejão, Rafael Mineiro, JP Batista, Meyinsse... A dificuldade era enorme na minha posição", afirmou João Vitor.

"Aqui não é uma chance para demonstrar que eles estavam errados, mas que estou preparado. Agora penso apenas no São Paulo. É um clube que abriu as portas para mim e fico muito feliz por isso", completou.

Apesar de estar focado no São Paulo, o pivô abre um parêntese para ainda comentar sobre o Flamengo. E, desta vez, fica até um pouco emocionado. A tragédia no Ninho do Urubu que vitimou dez jogadores das categorias de base, no último dia 8 de fevereiro, afetou João Vitor. Ele conhecida alguns dos garotos que morreram no incêndio. 

"Fiquei muito triste. Eu tive oportunidade de visitar o alojamento (do Ninho do Urubu). Conheci alguns dos jogadores que acabaram falecendo. Minha mãe também me ligou na mesma hora. Ele sentiu o mesmo que aquelas mães porque eu morei no alojamento do Flamengo quando tinha 15 anos", afirmou o pivô. "Espero que todas as famílias possam ser confortadas neste momento tão difícil."

Voltando ao São Paulo, João Vitor espera que o São Paulo continue com bom desempenho na Liga Ouro. A equipe ganhou os dois primeiros jogos sobre Unifacisa, em Campina Grande, e Basquete Cerrado, em Brasília, e agora, além de enfrentar o Campo Mourão, nesta terça-feira, encara o Londrina, quinta, ambos no ginásio do Morumbi.

"Pode se dizer que o São Paulo favorito por ser um time de futebol, pela estrutura que montou, mas, dentro de quadra, isso não significa muita coisa. Temos de ter os pés no chão, entender que os outros times são tão bons quanto o nosso. Cada jogo será uma batalha. Temos de ganhar os jogos para ser favorito e isso também não garante o título", afirmou o pivô.

Na Liga Ouro, após os oito times se enfrentarem em turno e returno, os dois primeiros se classificam diretamente para os playoffs semifinais. As quartas de final reúnem os classificados de 3º até o 6º lugar.

 

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.