Matheus Costa/Chapa Transparência
Matheus Costa/Chapa Transparência

Fiba adia reunião com presidente da CBB para o dia 22 de março

Encontro em Zurique para tratar da suspensão seria nesta sexta-feira

O Estado de S.Paulo

17 de março de 2017 | 14h46

A reunião entre o presidente da Confederação Brasileira de Basketball, Guy Peixoto, e os dirigentes da Federação Internacional de Basquete, que aconteceria nesta sexta-feira, em Zurique, foi adiada para quarta-feira da próxima semana, dia 22 de março, em Porto Rico, durante o encontro da Fiba Américas.

"Vamos comparecer à reunião em Porto Rico com a meta de livrar o basquete brasileiro da suspensão, apresentando aos representantes da Fiba o projeto dos 100 Dias, que é um conjunto de ações que julgamos essenciais para iniciar a recuperação do basquete brasileiro e trazer a credibilidade de volta à CBB", explicou Guy.

Contrário ao formato da força-tarefa proposta pela Fiba, o presidente da CBB quer convencer os dirigentes da entidade máxima do basquete de que pode reverter o quadro sem uma intervenção. 

Segundo balanço de 2016 da CBB, houve uma diminuição no valor da dívida, que passou de R$ 10,8 milhões em 2015 para R$ 9,95 milhões em 2016. Só que, para entregar uma cenário menos catastrófico para o sucessor, o ex-presidente Carlos Nunes utilizou quase todo os recursos disponíveis em caixa.  

Como está impedida de receber o repasse da Lei Agnelo Piva (foram R$ 5,6 milhões em 2016), não renovou com o Bradesco (recebeu R$ 9,6 milhões) e comprometeu verbas da Nike, outro apoiador, até 2018, a entidade não tem fonte de recursos neste início de 2017 - apenas despesas. 

Neste cenário, é crucial derrubar a suspensão da Fiba. "Tenho certeza que a Fiba vai entender o que iremos pleitear e retirará em breve esta sanção, que tem atingido diretamente os nossos clubes, atletas, técnicos e árbitros, além de nossas seleções de base. Eles vão entender que a nossa gestão será pautada pela transparência de informações e de ações", afirmou Guy.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.