Divulgação
Divulgação

Fiba define critérios do convite ao Mundial de Basquete

Com desempenho vexatório na Copa América, seleção precisa passar por crivo da federação para ganhar vaga

AE, Agência Estado

26 de setembro de 2013 | 13h40

SÃO PAULO - Após o término de todos os torneios classificatórios continentais, a Federação Internacional de Basquete (Fiba) divulgou nesta quinta-feira os critérios para a definição das quatro seleções que serão convidadas para a disputa do Mundial Masculino, no ano que vem, na Espanha. Como não conseguiu sua vaga na quadra, o Brasil depende desse convite para entrar na competição.

A seleção brasileira deu vexame na Copa América, realizada entre agosto e setembro, na Venezuela, quando perdeu os quatro jogos que fez e foi eliminada precocemente, sem conseguir uma das quatro vagas disponíveis. Agora, portanto, o Brasil depende do convite da Fiba para manter a tradição de ter disputado todas as edições do Mundial Masculino de Basquete na história.

Até agora, já estão definidos 20 dos 24 participantes do Mundial, campeonato que será realizado entre 30 de agosto e 14 de setembro de 2014. São eles: Espanha, Estados Unidos, Angola, Egito, Senegal, México, Porto Rico, Argentina, República Dominicana, Irã, Filipinas, Coreia do Sul, França, Lituânia, Croácia, Eslovênia, Ucrânia, Sérvia, Austrália e Nova Zelândia.

Para quem não conseguiu a classificação na quadra, ainda resta a alternativa de pedir o convite à Fiba. A entidade já adiantou que, entre as quatro escolhidas, haverá um limite de até três seleções do mesmo continente. E prometeu anunciar o resultado dessa disputa apenas no dia 2 de fevereiro do ano que vem, véspera do sorteio dos grupos do Mundial da Espanha.

A entidade apontou vários critérios para definir os convidados, divididos em fatores esportivos, econômicos e administrativos. E também avisou que as federações interessadas em receber o convite terão que fazer uma "doação" à Fiba - sem especificar valores, explicou que esse dinheiro arrecadado será utilizado para promover e divulgar o basquete mundialmente.

Entre os critérios definidos pela Fiba, estão alguns que podem ajudar o Brasil, como a popularidade do basquete no país e o histórico de resultados (o basquete masculino brasileiro é bicampeão mundial, em 1959 e 1963). Mas tem um fator que ameaça ser prejudicial: o comprometimento de que os principais jogadores da seleção estarão na disputa do Mundial na Espanha.

Nos últimos anos, o basquete masculino do Brasil vem sofrendo com pedidos de dispensa de alguns dos principais jogadores, chegando ao ápice justamente na Copa América, quando todos os brasileiros que atuam NBA não foram à Venezuela. A situação provocou até críticas públicas do técnico Rubén Magnano, que cobrou maior comprometimento dos atletas com a seleção.

Tudo o que sabemos sobre:
basqueteFiba

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.