CBB
CBB

Fiba escolhe o Brasil como sede da próxima Americup, em 2022

Doze seleções da América vão participar do torneio, marcado para acontecer em setembro do ano que vem

Redação, O Estado de S.Paulo

10 de agosto de 2021 | 21h49

A Federação Internacional de Basquete (Fiba) anunciou nesta terça-feira que o Brasil vai ser a sede da próxima Americup 2022. O torneio, que vai reunir as 12 melhores seleções do continente, está marcado para acontecer em setembro do ano que vem, em quatro cidades que ainda não estão definidas. 

A decisão foi anunciada dois dias depois do encerramento da Olimpíada de Tóquio, jogos em que as seleções brasileiras masculina e feminina de basquete não disputaram por não conseguirem a classificação. Para o presidente da Confederação Brasileira de Basquete (CBB), Guy Peixoto Jr, receber o torneio é uma chance de fortalecer o basquete nacional para fazer um ciclo olímpico que coloque o Brasil nos Jogos de Paris, em 2024. “O basquete brasileiro tem uma história vencedora e sabemos da nossa responsabilidade no resgate disso”, afirmou.

A depender do retrospecto do País na competição quando participa como dono da casa, há motivos para acreditar nessa recuperação. A última vez que o Brasil sediou o torneio foi em 1984, quando os donos da casa foram campeões. Mas, para anfitriões conquistarem o título, vão precisar superar as outras 11 seleções classificadas: Argentina, Porto Rico, Canadá, Colômbia, México, Venezuela, Panamá, República Dominicana, Uruguai, Venezuela, Ilhas Virgens e os recém-campeões olímpicos, Estados Unidos.

Para trazer a Americup para o Brasil, a CBB contou com uma parceria com a holding de marketing esportivo do lateral-direito Daniel Alves, do São Paulo, que também participou dos Jogos Olímpicos de Tóquio, onde foi campeão com a seleção brasileira. O jogador vai inaugurar, em setembro, um projeto social na Bahia que vai oferecer a prática de futebol e basquete para 2 mil crianças. 

“Estou muito feliz com a vinda da AMERICUP para o Brasil. Gosto do esporte e do Basquete e precisamos apoiar iniciativas como essa. Estaremos com os melhores profissionais à frente desse projeto, acredito que seja um grande passo para que o basquete brasileiro esteja nos Jogos Olímpicos de Paris 2024”. afirmou o jogador em nota.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.