França perde da China e escapa de confronto com o Brasil

A França perdeu da China por 66 a 64, na tarde desta segunda-feira, em Barueri, e evitou enfrentar o Brasil nas quartas-de-final do Mundial Feminino de Basquete. Com a derrota, a equipe francesa se classificou em quarto lugar no Grupo F e vai enfrentar a Austrália, campeã do Grupo E e até agora invicta na competição, com seis vitórias. O adversário do Brasil nas quartas-de-final, que serão disputadas na quarta-feira, no Ginásio do Ibirapuera, em São Paulo, será o perdedor do último jogo da chave, entre Estados Unidos e República Checa - a partida começa às 19h45, também em Barueri. Se vencerem as norte-americanas, até agora invictas, as checas assumem o primeiro lugar do grupo. No último minuto, a França perdeu pelo menos duas boas chances de virar o placar. A equipe, no entanto, perdeu a bola a cinco segundos do fim e, depois de um pedido de tempo, não tentou parar o jogo com faltas, deixando a impressão de que preferiam evitar um confronto com a seleção brasileira. A China esteve à frente do placar durante praticamente todo o jogo. A França pressionou e chegou a passar à frente a cerca de três minutos do fim, mas errou muito e acabou ficando atrás da Rússia na classificação - a China, com a mesma campanha, acabou eliminado por ter o pior cesta average entre as duas equipes. A cestinha do jogo foi a armadora chinesa Lijie Miao, que marcou 23 pontos - a melhor francesa foi a ala Emile Gomis, com 14 pontos. Austrália invicta A Austrália não teve dificuldades para vencer a Argentina e confirmar a classificação em primeiro lugar no Grupo E, com a vitória por 83 a 49, no Ibirapuera. A equipe dominou o placar com facilidade e pôde dar ritmo de jogo às 12 atletas. Lauren Jackson foi a cestinha, com 30 pontos, e aproveitou para ampliar sua vantagem como cestinha da competição - agora, tem média de 23,2 pontos por partida. A pivô reserva Emma Randall foi o destaque no garrafão, com 9 rebotes.

Agencia Estado,

18 Setembro 2006 | 19h28

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.