Franca x Vasco promete ser equilibrado

Um jogo de basquete que é, na essência, uma partida de xadrez. Essa é a avaliação do técnico Daniel Waffty, do Marathon/Franca, sobre o confronto de sua equipe contra o Vasco, que vale uma vaga na decisão do Campeonato Nacional Masculino de Basquete. "Uma peça mal mexida, um lance bem dado decidirá a partida", afirmou o treinador, como se comentasse, de fato, xadrez. "Serão jogos muito estudados, de paciência." A primeira partida da série melhor-de-cinco das semifinais será nesta quinta-feira, às 21 horas, no Rio.A explicação para a expectativa de um confronto tão equilibrado é simples. Grande parte dos jogadores do Vasco foi formada em Franca (como Helinho, Demétrius e Rogério) e o time carioca é dirigido por Hélio Rubens Garcia, que deixou a cidade paulista há 1 ano e meio, depois de construir toda a sua carreira, como atleta e técnico, em Franca. Hélio levou para o Rio, inclusive, o estilo de jogo francano - uma escola consistente na defesa e nos contra-ataques. Apesar disso, Franca, uma das escolas mais tradicionais do basquete nacional, não perdeu suas características com a saída de Hélio e de grande parte dos jogadores."São equipes semelhantes, times com as mesmas características, o que permite prever que esse playoff só será decidido depois de muita batalha", avaliou Daniel Waffty. Ele também aposta em jogos de placares baixos e diferença pequena. Na fase de classificação, Franca venceu os dois jogos, por 79 a 75 e por 79 a 78.Esta será a quarta vez que Franca e Vasco encontram-se em playoffs nos últimos anos. Em 98, os paulistas eliminaram o rival na semifinal. Em 99, o Vasco ganhou o título. No ano passado, o time francano foi eliminado pelo clube carioca ao perder o playoff melhor-de-cinco por 3 a 2, na terceira prorrogação do quinto jogo.A diferença, em relação a 2000, é que agora a vantagem de mando de quadra é francana. "Temos a chance de fazer três jogos em casa e isso é importante", observou Daniel Waffty, que mantém um relacionamento cordial, mas distante, com Hélio Rubens.O técnico de Franca aposta na boa fase do seu time - vai escalar Valtinho, Márcio, Chuí, Estevan e Edu. A base do inimigo? "É a seleção brasileira", disse Daniel Waffty, referindo-se a Helinho, Demétrius, Rogério, Sandro Varejão e Janjão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.