Divulgação/Prefeitura de Seattle
Divulgação/Prefeitura de Seattle

Ginásio para NBA nos EUA custará mais que Arena Corinthians e Maracanã juntos

Prefeitura de Seattle acerta a construção de uma nova casa para receber pouco mais de 18 mil torcedores

O Estado de S.Paulo

25 Setembro 2018 | 21h02

A prefeitura de Seattle, nos Estados Unidos, acertou na segunda-feira a demolição da KeyArena para a construção de um novo ginásio. O espaço atual tem capacidade para 17.072 torcedores e foi erguido em 1962. O local foi usado pelo antigo Seattle SuperSonics, time da NBA que deixou a cidade em 2008 e virou Oklahoma City. O novo ginásio custará mais que a Arena Corinthians e a reforma do estádio do Maracanã juntos. 

Segundo o jornal Seattle Times, uma arena multiuso será construída no local com a capacidade de 18.600 torcedores. A ideia é atrair um time da NBA e da NHL. A OAK View Group, empresa responsável pela construção, orçou o projeto na casa de US$ 700 milhões (R$ 2,872 bilhões). 

Os valores exatos que custaram a construção da Arena Corinthians e a mega reforma no Maracanã é um mistério, mas segundo  Ministério do Esporte e informações do Corinthians, o estádio alvinegro custou algo em torno de R$ 1, 080 bilhão. Já o principal estádio carioca saiu por volta de R$ 1,050 bilhão. Juntos, o valor é de R$2,130 bilhões. 

Para garantir que o acordo aconteça, dois investidores já se prontificaram a ajudar na reforma. O bilionário David Bonderman, dono da investidora TPG Capital, e o produtor de cinema Jerry Bruckheimer.

A expectativa é que o novo ginásio fique pronto em 2020. Em comunicado, a prefeita de Seattle, Jenny Durkan, festejou o acerto. "O acordo irá criar trabalho para muitas famílias, fazer investimentos cruciais em transporte público e ainda proteger os contribuintes, já que há a garantia que os cofres públicos não serão usados na construção, inclusive em caso do custo estimado ser excedido", garantiu.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.