Divulgação/Prefeitura de Seattle
Divulgação/Prefeitura de Seattle

Ginásio para NBA nos EUA custará mais que Arena Corinthians e Maracanã juntos

Prefeitura de Seattle acerta a construção de uma nova casa para receber pouco mais de 18 mil torcedores

O Estado de S.Paulo

25 de setembro de 2018 | 21h02

A prefeitura de Seattle, nos Estados Unidos, acertou na segunda-feira a demolição da KeyArena para a construção de um novo ginásio. O espaço atual tem capacidade para 17.072 torcedores e foi erguido em 1962. O local foi usado pelo antigo Seattle SuperSonics, time da NBA que deixou a cidade em 2008 e virou Oklahoma City. O novo ginásio custará mais que a Arena Corinthians e a reforma do estádio do Maracanã juntos. 

Segundo o jornal Seattle Times, uma arena multiuso será construída no local com a capacidade de 18.600 torcedores. A ideia é atrair um time da NBA e da NHL. A OAK View Group, empresa responsável pela construção, orçou o projeto na casa de US$ 700 milhões (R$ 2,872 bilhões). 

Os valores exatos que custaram a construção da Arena Corinthians e a mega reforma no Maracanã é um mistério, mas segundo  Ministério do Esporte e informações do Corinthians, o estádio alvinegro custou algo em torno de R$ 1, 080 bilhão. Já o principal estádio carioca saiu por volta de R$ 1,050 bilhão. Juntos, o valor é de R$2,130 bilhões. 

Para garantir que o acordo aconteça, dois investidores já se prontificaram a ajudar na reforma. O bilionário David Bonderman, dono da investidora TPG Capital, e o produtor de cinema Jerry Bruckheimer.

A expectativa é que o novo ginásio fique pronto em 2020. Em comunicado, a prefeita de Seattle, Jenny Durkan, festejou o acerto. "O acordo irá criar trabalho para muitas famílias, fazer investimentos cruciais em transporte público e ainda proteger os contribuintes, já que há a garantia que os cofres públicos não serão usados na construção, inclusive em caso do custo estimado ser excedido", garantiu.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.