Homenagem nos EUA comove Hortência

Hortência nem acreditou, mas durante todo o tempo em que esteve no Tennessee, para ser homenageada - foi a primeira brasileira a entrar no Hall da Fama, um museu do basquete mundial -, ela foi chamada de "lenda" pelos norte-americanos. Voltou dos Estados Unidos impressionada com o valor que os organizadores da WNBA, a versão feminina da NBA, dão à história do esporte e, conseqüentemente, a quem fez parte dela."Eu recebi e recebo, diariamente, o carinho dos brasileiros, mas duvido que os jovens saibam sobre mim e o basquete. Em 12 edições do Mundial, o Brasil foi o único País a tirar um título dos Estados Unidos e da Rússia e eles reconhecem isso", afirmou Hortência.Nesta quinta-feira, Hortência, que já deixou o basquete há seis anos, foi homenageada novamente. Desta vez foi em São Paulo, num almoço - que deveria ser surpresa - promovido por Eduardo Fischer, presidente do Grupo Total, da área de comunicação (ao qual está ligada a All-E, empresa em que a ex-jogadora é sócia). Ela aproveitou para mostrar a bola, assinada por várias gerações de jogadoras que foram para o Hall da Fama, e o troféu que trouxe dos Estados Unidos. Lamentou não termos "memória esportiva, um museu do esporte e, mais que isso, política esportiva".Nas paredes do museu, além de fotos e do uniforme, em uma vitrine, está uma boneca da ex-jogadora e o texto que observa que "assim como Pelé, Hortência é conhecida apenas por um nome, o primeiro, no seu País, tamanha a fama...."A ex-jogadora atribui exatamente à ausência de uma política esportiva o êxodo provocado no basquete feminino brasileiro - nove jogadoras, dentre elas Helen e Janeth e quase a totalidade da seleção brasileira, estarão na temporada da WNBA. "Elas têm de ganhar dinheiro em algum lugar. Se não tem time e patrocínio aqui, vão para fora", afirmou Hortência.Com Paula, convidada especial do almoço, chegou a falar em fazer um projeto para o basquete brasileiro, juntamente com Oscar Schmidt, que está deixando as quadras este ano, para assumir o comando das entidades que administram o esporte no País e em São Paulo, no futuro, "e organizar as coisas direitinho". Disse que "todos perguntavam sobre a Paula nos Estados Unidos" e observou que sua carreira e a da eterna rival, nos clubes, e aliada, na seleção, nunca poderão ser separadas. "É verdade. Ela disse para eu segurar um pouco o troféu que também é meu. Me sinto premiada", concordou Paula.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.