Divulgação
Divulgação

Marcelinho Huertas ainda não sabe qual papel terá nos Lakers

Armador assinou contrato de um ano com a franquia da NBA

Renan Fernandes, O Estado de S. Paulo

24 de setembro de 2015 | 17h07

Novo reforço do Los Angeles Lakers para a temporada 2015/2016 da NBA, Marcelinho Huertas comemora a grande presença de atletas do País na principal liga de basquete do mundo: nove no total. Um dos pilares da seleção brasileira nas convocações de Rubén Magnano acredita que esta 'invasão' mostra como o basquete do Brasil é respeitado e chega com chances de pódio na Olimpíada de 2016.

'A gente pode lutar pelo pódio, com a torcida ao lado, isso vai ser muito valioso, não tem nada que motive mais que você ter a possibilidade de lutar por um pódio jogando em casa', opinou.

Após quatro temporadas no Barcelona, onde conquistou duas Ligas ACB (2011/2012 e 2013/2014), uma Copa do Rei (2013) e uma Supercopa (2011), Huertas ainda não sabe qual função terá na rotação da equipe de Byron Scott e quais serão os objetivos do time, que teve uma das piores campanhas da NBA nos últimos anos.

'Na temporada, podemos surpreender. Outro dia em uma entrevista, o Kobe (Bryant, maior astro da equipe) disse que nós podemos chocar o mundo. Sabemos que a Conferência Oeste é mais competitiva e mais forte que a do Leste, e se tivemos química, poderemos fazer uma temporada mais digna', disse.

 

O mau momento da franquia californiana coincide com a queda de partidas de Kobe Bryant, que teve duas graves lesões no período. Ainda na fase inicial de treinos (não oficiais), Huertas contou que ainda não teve muito contado com o astro da franquia.

'Ele passou para cumprimentar alguns amigos dele, mas na hora eu estava treinando. Espero ver como ele vai estar fisicamente nas primeiras atividades oficiais.'

Por outro lado, o experiente jogador, de 32 anos, está fazendo trabalhos específicos com o calouro D'Angelo Russell, jovem de 19 anos que foi escolhido na segunda posição do Draft deste ano. 

'É um jovem incrível, mas terá que aprender muita coisa. Vou poder passar minha experiência, não só de conversar, mas durante jogo, explicar as coisas para ele. Ele tem muito potencial, a vivência que já tive no basquete e com o que puder ajudar vou fazer.'

Em conferência com a imprensa brasileira, Huertas também falou o que terá que melhorar em seu jogo para encarar jogadores mais rápidos e mais atléticos nos Estados Unidos. 'A adaptação mais importante que terei é na velocidade do jogo, já que é jogo muito mais corrido, potente, com jogadores mais, mais atléticos. Tenho que ter essa mentalidade para entrar nesse ritmo. Um dos motivos que o time me contratou, por outro lado,é para eu poder controlar esse jogos que são muito intensos, colocar bola embaixo do braço, fazer um basquete mais estático, ter paciência de saber organizar time.'

Com contrato de uma temporada, o camisa 9 confirmou que negociava com o Dallas Mavericks antes de fechar com os Lakers, e abriu mão de propostas melhores da Europa para realizar o sonho de jogar na NBA. 'Antes, já tinha sido assim, quando eu fui para o Barcelona, abri mão de ganhar o dobro na Turquia, e escolhi jogar pelo Barcelona. Por causa da felicidade, do sonho e do desejo, às vezes se dá um passo atrás para depois dar dois para a frente'.

 

Tudo o que sabemos sobre:
Basquete, NBA, Los Angeles Lakers

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.