Janeth não sabe se joga Pré-Olímpico

A menos de um mês do Pré-Olímpico Feminino de Basquete, na Cidade do México (entre 17 e 21 de setembro), a ala Janeth, de 34 anos, não decidiu ainda se integrará a seleção brasileira. ?Fiquei sabendo da convocação por meio da imprensa. Ninguém me telefonou. Não conversei com o ?Grego? (Gersaime Bozikis, presidente da Confederação Brasileira de Basquete) sobre as minhas condições para jogar. Vou ligar para ele amanhã e decidir se vou?, disse a jogadora do Houston Comets, da WNBA.O site da CBB anuncia que Janeth se juntará à seleção depois da série de amistosos que a equipe fará na Europa, contra a Rússia e a Espanha. ?Muito estranho isso. Não estou sabendo de nada?, garantiu a jogadora.Antes de retornar em maio ao Houston Comets, time da liga profissional norte-americana no qual atua há sete anos, Janeth queria ter ficado no Brasil. ?Não fiquei porque a seleção estava sem patrocínio e não tínhamos boas condições e locais adequados de treinamento?, revelou.Patrocínio a equipe conseguiu, mas mesmo assim a atleta não está satisfeita. ?Não estou pensando só no Pré-Olímpico. Precisamos de apoio e condições de treinamento sempre, classificando ou não o Brasil para Olimpíada de Atenas.?Desde 1987 na seleção brasileira, Janeth foi campeã pan-americana em Havana/91, campeã mundial na Austrália/94, vice-campeã olímpica em Atlanta/96 e bronze olímpico em Sydney/2000. Por tudo isso, faz exigências à CBB. ?Sou jogadora de nível mundial e mereço um pouco de respeito e atenção dos dirigentes. E não estou pensando só em mim, mas no grupo todo. De que adianta ter boas jogadoras se não temos estrutura??Prioridade - Antes da seleção, Janeth pensa em ser pentacampeã na WNBA ? é a única jogadora da liga a atuar em todos os jogos em sete anos. Seu time já disputou 31 jogos (com 20 vitórias) e faltam três para o fim da temporada regular. Vencendo todos, o Houston Comets assume a liderança da Conferência Oeste.Nesta quinta-feira, o Houston enfrenta o Sacramento Monark, um dos favoritos ao título. No sábado, encara o Seattle Storm. E no domingo, joga contra o líder de sua conferência, o Los Angeles Sparks (que tem 21 vitórias).Se chegar a disputar o título, a última partida da final em melhor-de-três é em 15 de setembro, outro fator que pode levar a jogadora a desistir do Pré-Olímpico. ?Depois de tantos jogos, vou estar muito cansada. Preciso me recuperar fisicamente?, disse Janeth.Mas jogando ou não no México, Janeth afirmou que o Pré-Olímpico será ?pedreira?, com Cuba, Canadá e outras forças das Américas brigando por apenas uma vaga nos Jogos de Atenas. Do Texas, a jogadora só pôde acompanhar a seleção brasileira nos Jogos Pan-Americanos de São Domingos pela internet e jornais. ?Nosso time tem várias jogadoras atuando fora do Brasil, como a Helen, a Alessandra e a Iziane. E está bem forte?, avaliou Janeth. Sobre a semifinal contra os Estados Unidos no Pan, quando houve erro no placar e o Brasil ficou fora da final, ela disse: ?Houve muita repercussão por aqui. Como eu não estava lá, não posso tomar partido de ninguém?.Enquanto não decide se defenderá a seleção, Janeth estuda propostas de clubes, como São Paulo e Ourinhos, para depois da temporada da WNBA. ?Morro de saudade da minha terra, do povo brasileiro?, admitiu. Em Houston, mora em um apartamento sozinha, alugado pelo clube. ?Estou acostumada a ficar só e consigo me virar sozinha. Depois de sete anos na cidade, meu inglês já está bom...? Em sua última temporada no Brasil, Janeth defendeu o São Paulo e foi campeã paulista. ?Foram dez meses de muitas alegrias?, contou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.