EZRA SHAW / GETTY IMAGES NORTH AMERICA / Getty Images via AFP
EZRA SHAW / GETTY IMAGES NORTH AMERICA / Getty Images via AFP

Jayson Tatum é a arma dos Celtics para desbancar Curry e os Warriors nas finais da NBA

Ala de 24 anos trilha caminho de sucesso para se tornar uma nova super estrela da liga americana de basquete

Redação, O Estado de S.Paulo

03 de junho de 2022 | 12h58

O primeiro jogo das finais da NBA entre Boston Celtics e Golden State Warriors tinha Stephen Curry como estrela unânime do evento. Com São Francisco recebendo a decisão da Liga pela primeira vez, o armador do time da casa fez bonito, com 34 pontos, mas foi ofuscado pela boa atuação de Jayson Tatum, que ajudou a levar os visitantes à vitória, por 120 a 108, e pode ser arma fatal para a franquia de Massachusetts na busca pelo título. 

Chegar nas finais da NBA tem um sabor especial para Tatum, que logo no primeiro jogo se destacou com 12 pontos e 13 assistências. Escolhido com o número 3 no Draft de 2017, o ala de 24 anos acredita que estar na decisão consolida sua carreira na liga e ajuda a calar os críticos de sua parceria de sucesso com o armador Jayson Brown, com quem forma a dupla "Jay-Jay" nos Celtics. 

"Tudo isso nos ajudou, nos empurrou para encontrar uma solução e não fugir de nossas responsabilidades. Tivemos que confiar uns nos outros e melhorar. Em vez de nos separarmos, nos aproximamos", disse Tatum após a vitória desta sexta-feira. 

Perto de completar 300 jogos pelo Boston Celtics, Tatum começa a trilhar o caminho de uma nova super estrela do basquete americano. O jogador foi eleito três vezes para o All-Star Game entre 2020 e 2022, além de ter recebido o troféu Larry Bird como o MVP das finais da Conferência Leste nesta temporada. Ele também fez parte da equipe dos EUA que conquistou a medalha de ouro em Tóquio. 

Para chegar nas finais da NBA, Tatum deixou pelo caminho outros astros, como Kevin Durant, do Brooklyn Nets, e Giannis Antetokounmpo, do Milwaukee Bucks. Porém, ele sabe que o duelo particular com Stephen Curry será ainda mais difícil, o que ficou claro na remontada que os Celtics precisaram para vencer a primeira partida. 

"A mensagem no início do quarto trimestre foi: 'Já estivemos aqui antes. Sabemos o que é preciso para superar um déficit como esse'", disse Tatum sobre a grande diferença no placar no início do jogo antes da mudança de postura no segundo quarto. "De minha parte, espero não arremessar tão mal novamente, mas se isso significa que continuamos a vencer, eu aceito."

Jayson e Curry voltam a medir forças no próximo domingo, pelo segundo jogo das finais entre Boston Celtics e Golden State Warriors. A partida será novamente em São Francisco, no Chase Center, às 21h (horário de Brasília). 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.