Jogadores e times da NBA oficializam acordo trabalhista

Temporada 2011/2012 está confirmada para começar a ser disputada em 25 de dezembro

AE, Agência Estado

09 de dezembro de 2011 | 09h55

NOVA YORK - A NBA está oficialmente de volta. Na noite de quinta-feira, os proprietários de equipes e os jogadores da liga norte-americana de basquete assinaram um novo acordo trabalhista, encerrando de vez o impasse entre as partes, que provocou a paralisação das atividades. Assim, a temporada 2011/2012 está confirmada para começar a ser disputada no dia 25 de dezembro. E o mercado de negociações agora está aberto.

O contrato foi assinado por dez anos e anunciado por David Stern, comissário da NBA, e Adam Silver, subcomissário da liga. O novo contrato trabalhista foi aprovado pelos proprietários das equipes da NBA, com 25 votos a cinco. Já 86% dos atletas aprovaram a proposta que selou o fim do impasse na liga norte-americana de basquete, de acordo com o sindicato.

Inicialmente, a temporada 2011/2012 da NBA estava prevista para ser disputada a partir do dia 1º de novembro, mas foi adiada por conta da falta de entendimento para que um novo acordo trabalhista fosse firmado. A divisão dos lucros era a principal responsável pelo impasse. Anteriormente, os jogadores ficavam com 57% dos lucros. Na temporada 2011/2012, serão apenas 51,15%. Já nos anos seguintes, o montante vai variar entre 49% e 51%.

Apesar do acordo ter sido oficialmente selado apenas na quinta-feira, a tabela da temporada 2011/2012 da NBA já estava definida. Serão cinco jogos no dia 25 de dezembro: Los Angeles Lakers x Chicago Bulls, Dallas Mavericks x Miami Heat, New York Knicks x Boston Celtics, Golden State Warriors x Los Angeles Clippers e Oklahoma City Thunder x Orlando Magic. Cada equipe disputará 66 jogos na temporada regular, que será encerrada no dia 26 de abril de 2012.

Tudo o que sabemos sobre:
basqueteNBAacordo trabalhista

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.