Reprodução/Cleveland Cavaliers Facebook
Reprodução/Cleveland Cavaliers Facebook

Kevin Love relata retorno às atividades na NBA pós-coronavírus: 'Estranho'

Ala-pivô do Cleveland Cavaliers conta que treinou meia-quadra com assistente usando máscara e luvas de borracha

Redação, O Estado de S.Paulo

10 de maio de 2020 | 07h00

Jogadores da NBA começam a voltar lentamente à rotina que levavam antes da pandemia do novo coronavírus. A liga permitiu a volta das atividades das franquias cujas cidades sofreram relaxamento na quarentena. Porém, ainda com muitas coisas diferentes por conta do distanciamento social para evitar o contágio da covid-19.

Kevin Love, ala-pivô do Cleveland Cavaliers, falou com a ESPN americana sobre a retomada das atividades. Ele conta que realizou seu tradicional percurso de 20 minutos da sua casa até as instalações da equipe, com a habitual neve se acumulando no para-brisa do carro. Mas disse que desta vez está tudo diferente.

"Este foi o mais longe que eu já fui sem arremessar uma bola de basquete", disse Love à reportagem. "Então, eu não me importo. Eu apenas quero praticar alguns chutes". Os Cavs foram um dos primeiros times da NBA a retomar as atividades, mas apenas com treinos individuais e respeitando os protocolos de segurança e saúde.

Love conta que antes de entrar no centro de treinamento dos Cavaliers foi testado para ver se suas condições estavam boas. "Nos perguntaram algumas coisas", revelou o jogador. "Como estava me sentindo, se alguém estava doente em minha casa, se eu estive doente, se nós basicamente seguimos a todos os protocolos de isolamento em um só lugar, não só os da NBA, mas também os de estado para estado."

Cinco vezes all-star da NBA, Love também teve sua temperatura corpórea medida e armazenada. Qualquer pessoa que tivesse com temperatura alta não teria acesso às instalações. Uma vez lá dentro, cada atleta teve sua metade de quadra para trabalhar com um preparador físico, vestindo máscara e luvas, fazendo acompanhamentos de passe e pegando rebotes.

"Luvas de látex fazem nossas mãos suarem de um jeito que eu nunca vi!", contou um dos assistentes dos Cavs à reportagem. "Definitivamente demorou um pouco para me acostumar com as luvas, mas definitivamente é a melhor técnica para agora se você pensar bem."

"Isso vai mudar o jeito - pelo menos num futuro próximo - de não apenas nós interagimos, mas também como vivemos diariamente. Então, pra mim, foi estranho? Claro", declarou Love. "Eu tive Dan Geriot (assistente técnico dos Cavs) na minha cesta e ele pegando os rebotes e me passando a bola munido de máscara e luvas. É simplesmente estranho."

O Portland Trail Blazers foi outro time que abriu suas portas nesta sexta-feira para receber nove dos seus 11 jogadores, que atualmente moram nos arredores da cidade de Oregon. Todos eles revezaram o tempo dentro de quadra, não tendo contato uns com os outros.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.