Knicks negociam Nenê com o Denver

O brasileiro Maybyner "Nenê" Hilário ficou pouco tempo no Knicks. Logo depois dele ter sido o 7º jogador escolhido no draft da NBA, a equipe de Nova York anunciou sua transferência para o Denver Nuggets, num negócio que ainda envolveu outros quatro atletas da liga norte-americana de basquete.O New York Knicks cedeu Nenê e os veteranos Marcus Camby e Mark Jackson ao Denver Nuggets. Em troca, ficou com o também novato Frank Williams, 25º escolhido no draft desta quarta-feira, e Antonio McDeyss, medalha de ouro na Olimpíada de Sydney. Entre os 47 jogadores que participaram do draft realizado no Madison Square Garden, em Nova York, Nenê foi o 7º escolhido, ainda na rodada inicial de seleção. O primeiro foi o chinês Yao Ming, que jogará no Houston Rockets. Ao todo, foram 14 atletas estrangeiros que ingressaram nas equipes da NBA.Nenê é o terceiro brasileiro a jogar na NBA. Antes dele, apenas os pivôs Rolando e Pipoka defenderam uma equipe da liga, mas tiveram poucas oportunidades para jogar. Aos 19 anos, ele espera ter melhores chances do que seus antecessores. ?Defensivamente, estou pronto para jogar na NBA. Estou bem nos rebotes e meu tempo de bloqueio também está bom. Quero agora conhecer meus oponentes e prometo ser um guerreiro em quadra?, avisou o ex-jogador do Vasco, que não esperava a troca de equipe. ?Sim, a transferência me surpreendeu. Mas, com o apoio da cidade de Denver, do povo brasileiro e da minha família, espero ter sucesso na NBA?, afirmou.Nenê sambou ao subir no palco do Madison Square Garden. Como havia previsto o locutor da NBA, no início da transmissão ao vivo pela rede de televisão americana TNT, ali estava ?um brasileiro que, ao ser selecionado, proporcionou o fim de um belo dia para o seu país?, referindo-se à classificação do Brasil para a decisão da Copa do Mundo contra a Alemanha. Elegante e calmo, Nenê subiu ao palco ? ?com terno feito sob medida pelo alfaiate Taim, de São Carlos? ? sorrindo (o comentarista da ESPN Internacional comparou o sorriso do brasileiro com o de Magic Johson). Na rápida entrevista de Nenê, logo após a escolha, o formalismo do draft da NBA ? em que os escolhidos falam de suas perspectivas profissionais ? foi quebrado: o brasileiro foi recebido com um prato de feijoada e um copo de caipirinha e, com tradução do olheiro José Antônio Santos, disse que estava feliz também porque Ronaldo marcou o gol que classificou o Brasil. ?Hoje o dia foi muito tumultuado, passei muito nervoso, mas agora estou muito feliz.? Apesar de toda alegria por estar na NBA, Nenê ainda tem uma pendência jurídica com o Vasco, seu ex-time. Enquanto o clube carioca alega ter o passe do jogador e cobra uma compensação financeira pela sua transferência, os empresários de Nenê dizem que a diretoria vascaína lhe deve cerca de R$ 25 mil em salários atrasados. ?A falta de pagamento é motivo para considerar o contrato nulo?, afirmou o seu agente, Michael Coyne. Nesta quarta-feira, a Federação Internacional de Basquete (Fiba) deve marcar o julgamento para decidir sobre o contrato de Nenê com o Vasco, até 2003. Michael Coyne espera que até o fim de julho o jogador esteja liberado. ?Quero jogar, ser titular, não ficar no banco. Mais para a frente, quero chegar a ser um ?all-star?, se Deus quiser?, disse o esperançoso Nenê, sem ligar muito para a polêmica contratual. Prevendo a possibilidade de entrar na faixa de renda milionária dos astros da NBA, Nenê planeja ter a família com ele nos EUA. Os pais, José Paulo e Carmen, os irmãos, Maykon e Mayaramy, o tio Edson e a namorada, a ex-jogadora de basquete Gabriela Bruno acompanharam ontem, em Nova York, a festa do draft. Nenê é o apelido que Maybyner, seu nome no registro de nascimento, pretende ter na camiseta. Embora ache que seu nome ?é até meio americano?, a maioria pronuncia ?Mêibiner? ou ?Meibainer?.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.