Leão dá palestra e é cobrado para melhorar o Corinthians

Cumplicidade foi a palavra-chave do técnico corintiano Emerson Leão na palestra que ele deu na noite de segunda-feira para as jogadoras da seleção brasileira de basquete, que se prepara para a disputa do Mundial da categoria. Convidado para um bate-papo com as atletas, Leão acabou ouvindo cobranças sobre a péssima campanha do Corinthians no Campeonato Brasileiro. ?O segmento é diferente, mas o objetivo é único: fazer sucesso. Fui um atleta de seleção como elas são agora. O sacrifício de ficar concentrado no hotel tem de ser quebrado com alguma coisa diferente. Não vim aqui para formar ou estabelecer normas de conquista. Mas de me doar um pouco a elas e conhecê-las?, contou Leão após a palestra. ?Ele disse que nós tínhamos de jogar com coração, estar sempre motivadas e jogar de forma simples, porque o simples é mais funcional. E que é essencial ter cumplicidade no grupo. Ele disse que quando não há cumplicidade, não há sucesso no trabalho!?, contou a ala Janeth. ?A conversa foi muito positiva, com uma visão do que ele tem sobre o esporte, convivência em grupo, entrosamento, liderança que ele tem como treinador?, acrescentou a veterana.Corintiana, Janeth aproveitou para falar sobre a Corinthians. ?Brinquei que ele tinha de arrumar a casa do Corinthians e perguntei se ele já tinha lavado roupa suja. Mas ele se fez de desentendido. Foi engraçado?, disse Janeth, que aproveitou para dizer ao técnico que ela e sua família eram fãs dele. ?Ele era o meu goleiro no futebol de botão.?A ala/armadora Helen reforçou a curiosidade sobre o futebol e perguntou como o técnico resolvia problemas internos. ?Ele respondeu que deixa para duas pessoas resolverem o problema: o mais inteligente e mais burro se entendem?, contou Janeth. A palestra gratuita foi sugerida pela Penalty, empresa da qual Leão é contratado, de acordo com o técnico Antônio Carlos Barbosa. ?Aceitei na hora, porque ele é um profissional de sucesso, um técnico indiscutível, que tem muito a mostrar sobre sua vida e acrescentar ao nosso trabalho?, disse Barbosa.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.