Lesão tira Tuiú da Copa América

A 4.ª Copa América - Pré Mundial acabou para a pivô Cíntia Tuiú. Com um estiramento na panturrilha direita , a jogadora terá de ficar três a quatro semanas em tratamento. Deve embarcar nesta quarta-feira para a Itália e no próximo dia 20 reapresenta-se ao clube Bees Treviglio, o qual defenderá pela segunda temporada seguida. Assim, o técnico Antônio Carlos Barbosa escalará Jucimara Evangelista, a Mamá, no lugar de Tuiú, nesta quarta-feira, contra a Argentina, às 17 horas, pela terceira rodada da competição.As duas equipes decidem o primeiro lugar do grupo A. Nesta terça-feira, a seleção brasileira teve folga e na estréia, na segunda-feira, derrotou o México por 119 a 63 (58 a 22). Na preliminar, enfrentam-se Cuba e Canadá, pela liderança do Grupo B. Além de Mamá, o time titular do Brasil terá Claudinha, Helen, Adriana e Kelly. "É um desfalque importante, mas a nossa força está no conjunto", observa Barbosa."Devo me recuperar até a estréia do meu clube no campeonato nacional, em 5 de outubro", espera Tuiú, que sentiu a perna no terceiro quarto do jogo de estréia da seleção. Passou nesta terça-feira por avaliações médicas, como ultrasonografia, e foi constatado um edema de cerca de 5 centímetros. Novos exames serão feitos para a descobrir a gravidade da lesão. "A perda da Tuiú é grande, mas estou tranqüila com a responsabilidade que terei", declara Mamá, ex-Paraná, que atuará na França, no Carnival Nice, na próxima temporada.Contra as argentinas, Barbosa acredita que terá maiores dificuldades em comparação ao jogo com as mexicanas. Destacou quatro atletas: Iris e Carolina (jogam na Itália), Noelia (atuou na Alemanha) e Laura (defendeu o time de Itatiba). "O feminino tem a mesma escola que a seleção masculina. Será um jogo difícil porque apesar de não ter pivôs fortes, a Argentina compensa com as outras jogadoras." A seleção brasileira masculina perdeu os últimos seis jogos para a Argentina e a seleção feminina, venceu os últimos dois confrontos, no Sul-Americano (vencido pelo Brasil), por dois e quatro pontos de diferença.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.