Rodrigo Campos/LBF
Rodrigo Campos/LBF

Liga Feminina tem o seu 'Desafio das Estrelas' neste sábado, em São José dos Campos

No intervalo, as jogadoras que conquistaram o título do Mundial da Austrália, há 20 anos, serão homenageadas

Alessandro Lucchetti, O Estado de S. Paulo

07 de março de 2014 | 21h58

SÃO JOSÉ DOS CAMPOS - As jogadoras pediram e, na quarta edição da Liga de Basquete Feminino, vão ter o seu primeiro "Desafio das Estrelas", nos moldes do Jogo das Estrelas do NBB. A partida, que vai opor a seleção dos destaques nacionais a uma equipe formada por jogadoras estrangeiras, começa às 11h deste sábado, no ginásio Lineu de Moura, em São José dos Campos.

A LBF, após passar um momento delicado em 2013, vivencia um momento de crescimento. Em comparação com o NBB, que tem o patrocínio apenas de uma marca de isotônicos, está até mais bem posicionada. Tem o apoio de outra marca de isotônicos, além da Bombril e da Eletrobras. Com esses recursos, a liga banca, além de hospedagem e de parte das despesas com arbitragem, as passagens aéreas quando as equipes precisam sair de seus estados - um valioso empurrão, já que o campeonato tem um participante em Recife (Sport), outro em São Luís (Maranhão Basquete) e um em Brasília.

No ano passado, a liga perdeu três candidatos a participar a 15 dias de seu início (São Caetano, Presidente Venceslau e Blumenau), e foi disputada em apenas um turno, com sete participantes. Neste ano, tem oito equipes, e, segundo o presidente Márcio Cattaruzzi, pode chegar a nove ou dez em 2015.

"A liga se solidifica. Seis equipes contrataram jogadoras por um ano, o que é um ótimo sinal", diz Cattaruzzi.

É bem verdade que quantidade não significa qualidade. Brasília, um dos participantes, exibe alguns placares que são dignos de times de colégio - chegou a perder uma partida para Americana por 141 a 18. "Acho que a gente precisa valorizar o que Brasília fez, como a coragem de entrar na liga. E esse time, com certeza, vai se reforçar para o ano que vem", salienta Cattaruzzi.

O "Desafio" tem uma atração mais do que especial: as campeãs do Mundial de 94 serão homenageadas no Lineu de Moura durante o intervalo. "É muito bom recebermos essa homenagem. Ter a lembrança de tudo o que fizemos, dos vinte anos desde que vencemos esse campeonato, um dos feitos mais importantes do basquete feminino, é uma honra. Eu me sinto honrada por fazer parte daquela geração de 1994", disse Janeth.

As campeãs de 94 foram homenageadas também no Jogo das Estrelas da NBB, em Fortaleza, há duas semanas. No próximo Jogo das Estrelas, há planos de formar trios com um jogador do NBB, uma da LBF e um veterano para disputa de torneio de arremessos.

Tudo o que sabemos sobre:
basquete

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.