Rafael Arbex/Estadão
Rafael Arbex/Estadão

Livre da suspensão, CBB negocia acordo de patrocínio com a Caixa

Conversas estão bem adiantadas e, com o fim da punição, banco pode ser confirmado em breve

Marcius Azevedo, O Estado de S. Paulo

22 de junho de 2017 | 07h00

Aliviado pelo fim da suspensão imposta pela Federação Internacional de Basquete à Confederação Brasileira de Basquete, anunciada na quarta-feira, o presidente da CBB, Guy Peixoto, mira o próximo passo. A Caixa Econômica Federal pode ser anunciada em breve como nova patrocinadora. 

O banco manifestou formalmente ao dirigente o interesse em assinar um acordo tão logo o basquete brasileiro fosse liberado pela Fiba. A carta de intenção da Caixa foi importante no processo que culminou com o fim da suspensão. A oficialização do patrocínio faz parte das contrapartidas exigidas pela entidade para dar o aval para o País voltar a disputar os torneios internacionais.

"A Caixa assumiu um compromisso que tem total interesse em patrocinar o basquete. Vamos torcer para que possamos fechar um acordo com eles", afirmou o presidente da CBB. 

Além da Caixa, Guy confirmou que conversou com outras empresas que acenaram positivamente. O Estado apurou que a Eletrobrás, que tem um processo contra a CBB por problema na gestão anterior, está entre os interessados. O acordo serviria inclusive para encerrar qualquer pendência judicial. 

O presidente da CBB confirmou ainda que conversou com uma empresa do ramo da aviação, outra de segurança e também uma de telefonia.

Ele também pedirá nos próximos dias a liberação do repasse do Comitê Olímpico do Brasil (COB). A CBB tem para receber quase R$ 4 milhões, verba destinada para preparação das seleções masculina e feminina para a disputa da Copa América em agosto. 

Guy admitiu que, pelo pouco tempo até os torneios, o Brasil pode ter dois técnicos interinos. "Temos de colocar tudo para funcionar, preparar uma convocação", justificou. Ele quer definir os treinadores com tranquilidade. "O técnico interino é uma possibilidade que surgiu nos últimos dias. Vejo muito isso no futebol’’, afirmou. “Nada impede que depois esse mesmo técnico seja efetivado.’" 

O dirigente ainda não sabe quanto terá de verba disponível para oferecer aos treinadores.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.