Lula deverá substituir Hélio Rubens

O técnico Aloísio Ferreira, o Lula, do COC/Ribeirão Preto, invicto no Campeonato Paulista (não perde há 28 rodadas), poderá ser o substituto de Hélio Rubens Garcia na seleção brasileira masculina de basquete. Após o oitavo lugar no Mundial de Indianápolis, em setembro, Hélio deixou o cargo este mês, numa reunião em que esperava encontrar o restante da comissão técnica. ?Achei que seria um encontro de avaliação, como havia sido combinado?, afirmou Hélio. Diante ?do clima criado?, decidiu pedir a saída do cargo.Lula disse que não conversou com o presidente da Confederação Brasileira de Basquete (CBB), Gerasime Grego Bozikis, sobre o assunto. Criticou pessoas que se candidatam ao cargo, garantiu que respeita demais Hélio Rubens ? foi assistente-técnico no Mundial ?, e não negou que, ?como todo mundo, gostaria de ser o treinador da seleção?.Grego, que não fala com a imprensa sobre as seleções, não vai anunciar um nome agora, nas fases decisivas dos campeonatos paulista, carioca e mineiro. Fará isso após o Natal e o ano-novo, dando margem para o surgimento de candidaturas como as de Miguel Ângelo da Luz, do Flamengo, de Marcel ? que começou a polêmica sobre os erros na forma de jogar da seleção, após o Mundial ?, de Guerrinha, do Bauru, e de Lula.Hélio Rubens, que permanece no Vasco - o time vai disputar com o Botafogo, numa série melhor-de-três, o terceiro lugar do Campeonato Carioca e a última vaga do Rio no Nacional -, não acredita na indicação de Lula. E questiona. ?Nós dois temos a mesma linha... Ele (Grego) teria então de responder por que não me deixou no cargo.? A CBB parece não pensar que indicar Lula seria trocar seis por meia dúzia, tanto que manteve o outro assistente de Hélio Rubens no Mundial, Flávio Davis, no comando da equipe cadete. Hélio afirma que não pára de receber ligações de solidariedade, inclusive de jogadores da seleção.Apesar do respeito que diz sentir por Hélio Rubens, Lula não acha que o basquete brasileiro tenha escolas tão bem definidas a ponto de se poder dividir os técnicos por grupos. ?Quem discorda de uma defesa forte, uma saída rápida para o contra-ataque e arremesso no momento certo?? Qualquer que seja o técnico, Lula entende que precisará, pelo menos, ?ouvir o restante da comunidade do basquete, concorde ou não com as opiniões?. ?Temos de criar a família do basquete, mesmo que existam divergências, como há em todas as famílias.?FEMININO - O técnico da seleção feminina também será confirmado em janeiro. Mas Antônio Carlos Barbosa, no comando do time adulto desde 1997, deve ser mantido, apesar do sétimo lugar no Mundial da China.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.