Lula pode substituir Hélio Rubens

Os rumores que cercavam o basquete se confirmaram nesta terça-feira: Hélio Rubens não é mais o técnico da seleção brasileira masculina. Em reunião com o presidente da Confederação Brasileira da modalidade, Gerasime Bozikis, o Grego, o treinador foi dispensado do cargo que ocupou por cinco anos. Também foi anunciado que o próximo técnico será definido apenas em janeiro - o principal nome é Aloísio Ferreira, o Lula, técnico do COC/Ribeirão Preto e assistente de Hélio desde o ano passado. Lula sabe que tem grandes condições de assumir a equipe que, em 2003, vai disputar o Sul-Americano, os Jogos Pan-Americanos de São Domingos e o Pré-Olímpico que classifica os três primeiros colocados para a Olimpíada de Atenas/2004. Apesar disso, o treinador não quer fazer barulho. "Não acho que seja o momento de fazer manifestações. Ninguém deve estar ansioso por isso. O mais importante é que o escolhido para o cargo tenha o apoio de todos os outros", afirma. Lula diz que foi apanhado de surpresa com demissão de Hélio: "Tentei ligar para ele, mas não consegui. Tenho um respeito muito grande pelo profissional renomado com quem tive o prazer de trabalhar na seleção e que me deu muita liberdade durante todo o tempo. Foi com ele que a seleção começou o trabalho de renovação, que teve Nenê e Anderson Varejão, por exemplo." O treinador do COC ressalta as características que o sucessor de Hélio Rubens deve ter. "O técnico da seleção conhece a filosofia da CBB - sabe das necessidades do basquete, conhece o nível dos jogadores. Deve dirigir uma equipe de ponta e ter experiência." Lula admite contar com essas características. Além de ter sido o assistente de Hélio na temporada anterior, seu time está invicto no Campeonato Paulista (25 vitórias e já classificado na primeira colocação nos playoffs), além de contar com uma equipe jovem, com média de idade de 20 anos. Outro aspecto a ser considerado é que o patrocinador do time de Ribeirão Preto cede as instalações de treinamento para as seleções masculina e feminina nas semanas que antecedem competições importantes. Para qualquer um que assumir, Lula alerta que a próxima temporada será dura. "O basquete brasileiro tem o Pré-Olímpico e a classificação para Atenas/2004 não será fácil (são três vagas, mas ainda com os profissionais da NBA na disputa, pelos Estados Unidos). Depois do Mundial de Indianápolis, em que o Brasil terminou em oitavo lugar, todo mundo ficou apreensivo." Lula também falou sobre a Associação de Técnicos de Basquete e sobre seus profissionais darem sugestões. "Qualquer um que assumir o comando da seleção vai precisar do apoio dos outros. O basquete nacional depende dos resultados do time brasileiro."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.