Harry How/AFP
Harry How/AFP

Magic Johnson renuncia à presidência do Los Angeles Lakers

Astro do basquete disse que seu desejo é voltar a ter uma vida de empresário rico e ex-jogador idolatrado

Redação, O Estado de S.Paulo

10 de abril de 2019 | 00h29

Magic Johnson anunciou nesta terça-feira a sua renúncia ao cargo de presidente de operações do basquete do Los Angeles Lakers, citando seu desejo de retornar para a vida que levava como um empresário rico e de ex-jogador idolatrado antes de assumir a franquia há pouco mais de dois anos.

O anúncio se deu antes do último jogo dos Lakers em sua sexta temporada consecutiva com mais derrotas do que vitórias, ficando fora dos playoffs mesmo tendo contratado LeBron James antes do começo do campeonato. Além disso, o astro vinha sendo criticado pelo fracasso na negociação para contratar Anthony Davis durante o campeonato.

"Eu quero voltar a me divertir", disse Magic. "Eu quero voltar a ser quem eu era antes de assumir este trabalho. Estamos na metade do caminho com LeBron. Eu acho que neste verão, com outra estrela chegando, que vão trazer, eu acho que esse time realmente vai estar em posição de disputar o título com o crescimento dos jovens jogadores."

Johnson não vinculou diretamente sua decisão ao futuro de Luke Walton, mas se sabe que o astro tinha o interesse em demitir o treinador. Sem utilizar nomes, Johnson citou repetidamente a afinidade de Jeanie Buss, a proprietário da equipe, com Walton, que já estava na equipe quando Magic chegou em fevereiro de 2017.

"(Na quarta-feira) Eu teria que afetar o sustento de alguém e sua vida. E eu pensei sobre isso e eu disse: 'Isso não é bom para mim. Não é quem eu sou. E então eu não quero colocá-la no meio de nós, embora ela dissesse: 'Ei, você pode fazer o que quiser'. Eu sei que ela tem muito amor por ele e grande amor por mim", disse Magic, de 59 anos, não havia avisado a proprietária dos Lakers da sua decisão de deixar a equipe antes de falar com a imprensa.

Notícias relacionadas

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.