Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE

Magnano confirma Giovannoni, corta Felício e define seleção

Grupo brasileiro conforta atleta cortado do Mundial de Basquete da Espanha e valoriza permanência do jogador do Brasília

Marcius Azevedo, O Estado de S.Paulo

13 de agosto de 2014 | 16h42

A seleção brasileira masculina de basquete está definida para o Mundial da Espanha. Depois de anunciar o corte do armador Rafael Luz na terça-feira, o técnico Rubén Magnano confirmou que o pivô Cristiano Felício, do Flamengo, está fora da lista final de 12 jogadores. A decisão foi tomada nesta quarta, poucas horas depois do último treino do Brasil em São Paulo, antes do embarque do time para os Estados Unidos.

A seleção enfrenta os norte-americanos sábado, em Chicago, e depois viaja à Europa para o período final da preparação. O grupo que vai disputar o Mundial terá: Marcelinho Huertas, Raulzinho Neto e Larry Taylor (armadores); Marquinhos Souza, Leandrinho Barbosa, Marcelinho Machado e Alex Garcia (alas); Anderson Varejão e Guilherme Giovannoni (alas-pivôs); Nenê Hilário, Rafael Hettsheimeir e Tiago Splitter (pivôs).

A última dúvida era em relação ao ala Guilherme Giovannoni. O jogador do Brasília sofreu entorse no tornozelo esquerdo logo na primeira semana de preparação, ficou fora dos quatro amistosos e voltou aos treinos apenas nesta quarta. "Me recuperei. Hoje, finalmente fiz o meu primeiro treino com o pessoal. Não aguentava mais ficar fora. Está tudo bem, consegui fazer o treino todo. Agora é trabalhar firme nestes 20 dias para chegar da melhor forma possível e estrear bem no Mundial", comentou Giovannoni.

O ala agradeceu aos médicos e fisioterapeutas da seleção. "Eles tiveram muita paciência comigo, porque você acaba ficando um pouco chato também", comentou o jogador, que também não esqueceu do treinador. "Tenho de agradecer ao Rubén pela confiança de ter esperado até o último instante. Ele viu que eu estava trabalhando duro para disputar o Mundial."

Com o grupo brasileiro definido, os jogadores trataram de dar força para os companheiros que não conseguiram vaga entre os 12 que vão defender o Brasil no torneio que começa dia 30 de agosto, na Espanha. "Foi uma opção do Rubén e temos de respeitar. Ele considerou que isso era necessário neste momento. São coisas que acontecem na vida do jogador", afirmou o armador Marcelinho Huertas, que procurou motivar aquele que poderia ter sido seu reserva no Mundial.

"O Rafa (Rafael Luz) é muito jovem e ainda tem muito chão pela seleção. O sentimento é de solidadriedade, porque é duro para o jogador ficar fora, principalmente depois de treinar tanto para isso." A estreia da seleção brasileira no Mundial será diante da França. Depois, o Brasil ainda enfrenta o Irã (dia 31 de agosto), Espanha (1º de setembro), Sérvia (3 de setembro) e Egito (4 de setembro) na primeira fase.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.