Magnano lamenta fator emocional na derrota para Sérvia no basquete

Apesar da eliminação, treinador exalta adversário e faz um balanço bastante positivo da campanha brasileira no Mundial

Estadão Conteúdo

10 Setembro 2014 | 15h54

Depois de um primeiro tempo equilibrado, a seleção brasileira masculina de basquete sucumbiu na segunda parte do jogo e acabou perdendo para a Sérvia, por 84 a 56, nesta quarta-feira, em Madri, o que provocou a eliminação nas quartas de final do Mundial da Espanha. Para o técnico Rubén Magnano, o lado emocional foi decisivo para a derrota do Brasil, principalmente no terceiro quarto.

Com a vitória por 29 a 12 no terceiro quarto, a Sérvia consolidou o caminho para eliminar o Brasil. Para isso, contou com um momento de descontrole brasileiro, como aconteceu quando Tiago Splitter e Marquinhos levaram duas faltas técnicas seguidas após o árbitro marcar uma falta de Anderson Varejão. Diante disso, os sérvios conseguiram marcar sete pontos consecutivos, numa mesma jogada.

"A diferença estava ali nos sete, oito pontos. O jogo estava aberto. Mas começaram as faltas técnicas e ficou muito difícil. Não conseguimos reagir. Não podemos dar tantas chances ao rival em um jogo internacional", comentou Magnano. "Faltou um pouco do psicológico para não cairmos como hoje (quarta-feira)", completou o treinador argentino que comanda a seleção brasileira.

Segundo ele, o Brasil não merecia ser eliminado com uma derrota tão elástica, principalmente pela campanha que fez no Mundial - até então, tinha perdido apenas para a anfitriã Espanha, tendo vencido a própria Sérvia na primeira fase. "Infelizmente, acabamos com uma derrota. Não por ser uma derrota, mas, sim, como fomos derrotados. Não podíamos acabar deste jeito", lamentou o treinador.

Magnano exaltou a partida "brilhante" da Sérvia nesta quarta-feira, mas também fez um balanço bastante positivo da campanha brasileira. "Terminar em quinto lugar no Mundial é interessante, algo muito bom", avaliou o técnico, ressaltando, porém, que o Brasil desperdiçou uma ótima chance de buscar uma medalha. "Não sabemos quando vamos ter uma nova possibilidade como essa", explicou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.